Aquecimento global pode afetar diretamente o fitoplâncton dos oceanos: mesmo se as metas do Acordo de Paris forem cumpridas, a cor dos mares será alterada em 50% até 2100

O aquecimento global poderá causar mais uma transformação nas características da Terra: o planeta azul pode ficar ainda mais azul devido ao aumento das temperaturas globais nas próximas décadas. É o que revelou um estudo recente publicado na revista científica Nature Communications.

Segundo o estudo, dirigido pela cientista Stephanie Dutkiewicz, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), um dos resultados do aquecimento global é o aumento da presença do fitoplâncton, conjunto de organismos marinhos microscópicos que absorvem e refletem luz.

“(…) o fitoplâncton transforma luz solar em energia química, consome dióxido de carbono e está na base da cadeia alimentar marinha.” – Stephanie Dutkiewicz, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT)

“O que descobrimos é que a cor vai mudar. Provavelmente não tanto a ponto de você enxergar a olho nu, mas certamente os sensores serão capazes de perceber que há uma mudança”, disse Dutkiewicz em entrevista à rede britânica BBC. “E provavelmente será um dos primeiros sinais de alerta de que mudamos a ecologia do oceano”, completou.

Como aquecimento global irá mudar a cor da Terra?

O aumento da temperatura global tem impacto direto na circulação das águas dos mares, e isso altera a quantidade e a qualidade dos alimentos disponíveis para esses organismos minúsculos. O resultado pode ser a redução do fitoplâncton, cuja presença dá tons mais esverdeados à água. Sem eles, o oceano ficará mais azul.

Estima-se que a região do Atlântico Norte será um dos primeiros a observar a mudança, seguido pela região do Oceano Antártico.

A equipe de pesquisadores modelou uma simulação que prevê os efeitos de uma elevação na temperatura média do planeta em 3°C até 2100 – cenário próximo ao previsto caso as metas do Acordo de Paris sejam cumpridas. Constatou-se que, neste quadro, até o fim do século haverá uma mudança de cor de mais de 50% nos mares do mundo.

“A cor na faixa verde/azul vai mostrar esse sinal de mudança mais cedo. Em alguns lugares, talvez na próxima década”, disse Dutkiewicz. E o resultado para a biodiversidade global pode ser desastroso: o fitoplâncton transforma luz solar em energia química, consome dióxido de carbono e está na base da cadeia alimentar marinha.

“Isso pode ser potencialmente muito grave. Se a mudança climática levar uma comunidade de fitoplâncton a invadir o espaço de outra, isso também mudará os tipos de cadeias alimentares que eles podem suportar”, preocupa-se a cientista.

Conteúdo publicado em 22 de março de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

Desde 2009, com o lançamento do compromisso ‘É preciso amadurecer para ser Verde’, a Braskem tem como prioridade estar entre as melhores indústrias químicas do mundo em relação à eficiência de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Para isso, a petroquímia produz, anualmente, seu inventário de GEE, que considera 100% de suas operações, e estabelece metas, além de observar resultados de sua missão de atuar como importante sequestrador de emissões via utilização de matérias-primas renováveis. A empresa trabalha com um plano de atuação em cinco frentes: engajamento interno, articulação externa, obtenção de informações, interpretação de informações e ampliação da gestão de riscos com a incorporação das variáveis climáticas no planejamento estratégico. Além disso, a Braskem participa de debates e fóruns sobre mudanças climáticas, como a Cúpula do Clima, e integra associações ligadas ao tema, como a Plataforma Empresas pelo Clima.

Veja Também

novo

ONU afirma: temos apenas 12 anos para reverter o aquecimento global

ONU afirma: temos apenas 12 anos para reverter o aquecimento global

Documento produzido pela ONU alerta para os riscos das mudanças climáticas: furacões, secas, enchentes, extinções em massa e aumento no nível do mar global. Objetivo é limitar o aquecimento a 1,5°C

novo

Chernobyl: vida selvagem está de volta após desastre radioativo

Chernobyl: vida selvagem está de volta após desastre radioativo

Uma explosão durante um teste técnico no reator número quatro da Usina Nuclear de Chernobyl (antiga União Soviética, atual Ucrânia na divisa com a Bielorrússia) foi a gênese da maior tragédia [...]

Design: como um detalhe pode tornar um produto 80% mais sustentável?

Design: como um detalhe pode tornar um produto 80% mais sustentável?

“O design, para ser ecologicamente e socialmente responsável, deve ser revolucionário e radical”. A afirmação vem de um dos maiores pioneiros, teóricos e ativista do design inteligente e do [...]