O horário de verão existe no Brasil desde 1931 com o objetivo de economizar energia elétrica, mas, desde 2017, estudo técnico avalia que medida não é mais eficaz. Saiba o que pode acontecer com esta política pública

*Conteúdo atualizado em 25 de abril de 2019

O horário de verão que vigorou entre os dias 4 de novembro de 2018 e a meia noite de 16 para 17 de fevereiro de 2019 pode ter sido o último realizado no Brasil. Durante o período, os moradores de 10 Estados (veja lista no final da nota) e do Distrito Federal ficaram com os relógios adiantados em 1 hora frente ao resto do país. A partir do verão 2019/2020, isso poderá não ocorrer mais.

De acordo com o jornal Estadão, o presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira, 25, decreto que encerra com o horário de verão. A medida confirma as declarações dadas pelo presidente no início do mês. “Tomei a decisão que neste ano não teremos horário de verão”, disse Bolsonaro durante um café da manhã com jornalistas realizado dia 5 de maio.

Mas para que serve o horário de verão?

No Brasil, o horário de verão foi adotado pela primeira vez via decreto assinado pelo então presidente Getúlio Vargas em outubro de 1931 e vigorou até março de 1932, sendo revogado no ano seguinte. Na Constituição Federal de 1942 foi instituído o artigo que afirma que “compete privativamente à União legislar sobre águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifusão” abrindo a possibilidade de “medidas pertinentes à redução do consumo”. Desde então, o horário de verão entrou e saiu do calendário dos brasileiros, embora, desde 1985, a medida siga ininterruptamente.

Atualmente, o horário de verão tem início a partir da hora zero do primeiro domingo de novembro de todos os anos e segue até a hora zero do terceiro domingo de fevereiro do ano subsequente – se houver coincidência entre este domingo e o domingo de carnaval, o encerramento se dá no domingo seguinte. Durante o período, o relógio é adiantado em uma hora.

O horário de verão vigora nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Leia também:
Por que uma matriz energética diversificada e verde é importante?
Em breve, sua casa vai produzir toda energia elétrica que você precisa
Diversidade no Congresso: veja quem são os eleitos pelo voto no Brasil

Onde mais tem horário de verão?

De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), há estudos que apontam que a primeira experiência com horário de verão foi nos Estados Unidos, adotado pelo então presidente norte-americano Benjamim Franklin, em 1784 – o motivo, na ocasião, seria dar aos cidadãos mais tempo de lazer à luz do dia. A medida foi consolidada em território norte-americano em 1918 – e lá é chamada de “Daylight Saving Time”.

Hoje, a maioria dos países que têm horário de versão se situa além do paralelo 30°, a norte ou a sul – o Brasil é um dos poucos países de região tropical que adota a medida. Países como Canadá, Austrália, Groenlândia, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai têm horário de versão.

Por que existe horário de verão?

O principal objetivo do horário de verão é aproveitar da forma mais eficiente a luz natural, que não consome energia elétrica. Por isso, o adiantamento dos relógios em um hora, para reduzir a concentração do consumo de eletricidade entre 18h e 21h. O Ministério de Minas e Energia explica que a lógica que condiciona a medida é a de estimular um “achatamento da curva de consumo”, reduzindo assim o nível do pico de eletricidade neste intervalo. Dessa forma, entre 18h e 21h, o consumo permaneceria em patamares mais baixos e haveria menor carregamento de energia nas linhas de transmissão, nas subestações e nos sistemas de distribuição. A principal causa deste pico de carga é a coincidência do início da iluminação pública com fim da luz natural diária com a ativação dos chuveiros nas residências – o comportamento médio do brasileiro indica que o banho ocorre neste momento.

O período de vigência do horário de verão foi definido de acordo com critérios técnicos que indicam a melhor forma de aproveitar as diferenças de luminosidade entre os períodos de verão e as demais estações do ano. Estudos técnicos apontam que, historicamente, o horário de verão é mais eficaz nas regiões mais distantes da Linha do Equador, onde a diferença entre a luminosidade entre verão e demais estações é menos significativa. Por isso, as regiões Norte e Nordeste do Brasil não mudam seus relógios.

Por que o horário de verão pode acabar?

No segundo semestre de 2016, a Secretaria de Energia Elétrica do MME e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) começaram a investigar de forma mais profunda os resultados do horário de verão do ponto de vista do sistema elétrico. A conclusão foi apresentada em agosto de 2017 e afirma que “a aplicação desta política pública atualmente traz resultados próximos à neutralidade para o consumidor brasileiro de energia elétrica”.

A justificativa é a mudança de hábitos e posses do consumidor brasileiro. Verificou-se nos últimos anos que o aumento no perfil da curva de carga de energia elétrica está fortemente associada à maior participação de equipamentos de climatização (sobretudo, aparelhos de ar-condicionado). Nesse sentido, a metodologia empregada deve necessariamente considerar a temperatura como variável explicativa – e não apenas a incidência de luz natural.

Houve, portanto, um deslocamento da demanda máxima diária de eletricidade para o período diurno, resultando em neutralidade para a redução de consumo – algumas metodologias apontam até para um aumento marginal da carga elétrica devido ao horário de verão. Hoje, o pico de consumo energético aponta para o período entre 14h e 16h, resultado do aumento de temperaturas e, consequentemente, do uso mais intenso do ar-condicionado.

Algumas metodologias apontam até para um aumento marginal da carga elétrica devido ao horário de verão.

O que irá acontecer, agora, com o horário de verão?

Ainda em 2017, a Nota Técnica nº 4/2017/CGDE/DMSE/SEE produzida pelo MME em parceria com o ONS foi encaminhada à Casa Civil da Presidência da República afirmando que o horário de verão “deixou de se justificar pelo setor elétrico”. O MME afirma que, para o setor elétrico, “a adoção de instrumentos regulatórios para sinalização econômica diferenciada por horário, a exemplo da tarifa branca e do preço horário, pode produzir resultados mais relevantes”.

A avaliação sobre os resultados da aplicação do horário de verão é anual e com o fim do ciclo 2019/2020, um novo estudo de eficiência elétrica sobre a medida será desenvolvido e novamente encaminhado à Casa Civil.

A decisão sobre a manutenção ou encerramento do horário de verão está, agora, submetida à consideração da Presidência da República. Dado que os impactos da política política não se restringe ao setor elétrico, com impactos em resultados econômicos e índices de saúde pública, a decisão é analisada de forma mais ampla.

Para a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), do ponto de vista energético, de fato, o horário de verão não tem mais resultados significativos. “Os relatórios técnicos nos indicam que o efeito está cada vez mais atenuado devido ao deslocamento do horário de ponta. Hoje, esta ponta de carga pode ser atenuada com a expansão da geração de energia com fontes como a solar e eólica ou com medidas de eficiência energética”, afirma Nelson Leite, presidente da entidade.

Procurada por bluevision, a assessoria de imprensa da Casa Civil afirma que “o tema segue em análise no governo”.

Conteúdo publicado em 20 de fevereiro de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem, a partir do contrato firmado com a empresa francesa EDF Renewable do Brasil, assume amplo investimento na compra de energia eólica. O acordo assinado prevê um aporte estimado em R$ 400 milhões ao longo de 20 anos para a compra de energia produzida pelos ventos. A parceria estabelece a construção do Complexo Eólico Folha Larga, no município de Campo Formoso, a 350 km de Salvador. A previsão é que o parque eólico tenha 33 megawatts (NW) de capacidade instalada. Esta é uma das ações assumidas pela empresa para atingir o objetivo de reduzir as emissões em 325 toneladas de CO2 durante duas décadas. “Estamos fazendo nossa parte para o desenvolvimento desse setor. Ao investir numa matriz limpa e sustentável, estamos reduzindo a quantidade de emissões de CO2 em 325 mil toneladas ao longo do período do contrato”, afirma Gustavo Checcucci, diretor de energia da Braskem.

Veja Também

novo

Veja como as cidades se preparam para enfrentar as mudanças climáticas

Veja como as cidades se preparam para enfrentar as mudanças climáticas

O verão de 2003 foi um marco na avaliação dos riscos e consequências das mudanças climáticas. Durante julho e agosto daquele ano, muitas cidades europeias sofreram com a maior onda de calor no [...]

Faces da Lua: saiba o que são o eclipse solar, a Lua azul e a Superlua

Faces da Lua: saiba o que são o eclipse solar, a Lua azul e a Superlua

A Lua é o único satélite natural da Terra, e um dos maiores do Sistema Solar – proporcionalmente ao tamanho da Terra, ela lidera o ranking de nosso sistema estelar. O diâmetro da Lua regista [...]

Mudanças climáticas podem levar matérias-primas da cerveja à extinção

Mudanças climáticas podem levar matérias-primas da cerveja à extinção

O aquecimento global pode colocar a cerveja em risco. A conclusão é do estudo liderado por pesquisadores da Universidade Chinesa de Pequim e da Universidade de East Anglia (Inglaterra), publicado [...]