A metodologia avalia os impactos ambientais de toda cadeia de produção de um produto ou serviço, desde a extração da matéria-prima até seu uso e descarte. Entenda como a ferramenta colabora com o desenvolvimento sustentável

A Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) é uma técnica desenvolvida para mensuração dos possíveis impactos ambientais causados como resultado da fabricação, utilização e descarte de determinado produto ou serviço. O ciclo de vida se refere a todas as etapas de produção e uso do produto, desde extração das matérias-primas, passando pela produção, distribuição até o consumo e descarte final (mesmo em caso de reciclagem e/ou reúso).

Infográfico ACV

 

Para cego ver:

Metodologia quantitativa e multicritério.

O primeiro estudo classificado como ACV foi encomendado pela Coca-Cola, nos Estados Unidos, em 1969.

Objetivo: entender os custos e os impactos dos estágios do ciclo de vida das embalagens de diferentes materiais (garrafas de plástico PET e de vidro retornável).

Método: observando o inventário de matérias-primas, o uso de combustíveis utilizados e as cargas ambientais dos processos de fabricação.

Legado: o estudo ficou conhecido como Resource and Environmental Profile Analysis (REPA) e foi amplamente divulgado.

Origem: metodologia de economic input-output life cycle assessment (EIO-LCA) é baseada em trabalho com matrizes insumo-produto de 1930.

Estudos de ACV são determinados pela série de normas ISO 14.040.

Há quatro grandes fases observadas: definição de objetivo e escopo, a análise de inventários, avaliação de impactos e interpretação

Definição dos Objetivos e Escopo

Definição das fronteiras do estudo (temporal e geográfica), a quem se destinam os resultados, os critérios de qualidade e as categorias de impacto a serem consideradas.

Análise de Inventários

Coleta dos dados que representam os fluxos de matéria e energia que entram e que saem das diversas etapas do ciclo de vida do produto. Essa etapa pode incluir trabalho de campo com coleta de dados primários ou incluir coleta de dados de literatura (dados secundários).

Avaliação dos Impactos

Softwares com alta capacidade de processamento de dados são utilizados. Eles auxiliam os especialistas para “traduzir” o modelo de ciclo de vida que foi criado para refletir o produto ou serviço que está sob análise em indicadores de impacto ambiental.

[Em destaque: Aqui, identificam-se categorias de impacto que não são comuns de serem comunicadas, como eutrofização, por exemplo.]

[Em destaque: Um dos indicadores mais conhecidos é kg de CO2 para a categoria de aquecimento global.]

Interpretação

Identificação das questões significativas do estudo, checagem da integridade, da sensibilidade e da consistência dos resultados e definição das conclusões, limitações e recomendações do estudo. A interpretação deve acontecer durante todo o estudo e não só na etapa final: essa arquitetura normalmente faz com que os estudos não sejam lineares ao longo das fases.

Categorias de impacto avaliadas (exemplos):

– Aquecimento global

– Depleção do ozônio

– Oxidação fotoquímica

– Acidificação

– Eutrofização

– Toxicidade, ecotoxicidade

– Esgotamento dos recursos naturais

– Uso do solo

 

As principais etapas de produção, uso e descarte avaliadas pela ACV:

1 – Extração de matéria-prima

Esta etapa da cadeia produtiva tem contato direto com o meio ambiente e a maioria de seus impactos ambientais está relacionada ao esgotamento de recursos não renováveis, emissões de gases poluentes e uso de água.

2 – Beneficiamento de matéria-prima

Os impactos dessa etapa são geralmente relacionados a processos industriais que usualmente se conectam ao alto consumo energético, água e emissões atmosféricas.

3 – Logística

O impacto ambiental de transportes terrestres tem impacto em uso de solo e em emissões atmosféricas decorrente do uso de energia/queima de combustíveis, assim como os transportes hidroviários, marítimos e aéreos.

4 – Indústria de transformação

A transformação é usualmente o momento em que o produto final é desenvolvido e no qual o design é essencial para criar produto e contexto que induzam a um ciclo de vida mais sustentável. Como o aumento de sua durabilidade e potencial de reciclagem. Nesta etapa, é exigida muita matéria-prima e energia.

5 – Consumo e uso

Os impactos positivos e negativos são contabilizados quando o produto ou serviço está sendo utilizado pelo consumidor final. No caso do plástico, por exemplo, pode reduzir o desperdício de alimentos, em forma de embalagem, ou diminuir o gasto energético de carros e aviões, sendo usado como peça industrial (mais leve que as produzidas com metais).

6 – Descarte

O descarte pode representar um impacto ambiental negativo ou positivo. Se o descarte for correto, os materiais podem ser reutilizados ou reciclados para diversas aplicações. Se o descarte for incorreto, os materiais podem contaminar o ar, o solo e os rios ou oceanos.

 

Países no qual a ACV é utilizada para políticas públicas:

Alemanha (reciclagem)

Chile (biocombustíveis)

Estados Unidos (biocombustíveis)

França (indústria)

México (biocombustíveis)

Peru (biocombustíveis)

 

No Brasil, a pesquisa acadêmica de ACV é mais comum nos seguintes setores:

Agropecuária

Automobilístico

Construção civil

Embalagens

Energia

Indústria química

Mineração

 

Aplicação de ACV: case de Austin (Texas, EUA)

Estudo de ACV para avaliar a proibição do uso de sacolas plásticas descartáveis → população trocou seu uso por sacolas plásticas duráveis com pegada energética maior → estas sacolas, com o tempo, se tornaram descartáveis, mas produziram mais impacto energético e hídrico com menos eficiência na reciclagem.

 

Aplicação de ACV: case das fraldas

Fraldas de pano duráveis: menor geração de resíduos sólidos, maior geração de efluentes

Fraldas descartáveis: menor pegada hídrica, maior geração de resíduo sólido

Conclusão: o uso mais indicado depende das condições ambientais locais e comportamento do consumidor. Comportamentos de lavagem a quente, passar com ferro ou secagem em máquinas influenciam fortemente o impacto ambiental das fraldas de pano.

Fontes:
Associação Brasileira de Ciclo de Vida (ABCV)
Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)
Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)
The International Journal of Life Cycle Assessment

 

Conteúdo publicado em 14 de junho de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

Desde 2005, a Braskem usa a Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) para conhecer os aspectos relativos à sustentabilidade de sua cadeia de valor. As informações geradas pelos estudos de ACV embasam decisões relativas ao negócio. Ainda na cadeia de valor, a Braskem criou a Rede Empresarial Brasileira de ACV, fórum que congrega empresas para discutir o conceito e disseminar boas práticas na aplicação da ferramenta no ambiente empresarial.

Outra iniciativa da Braskem nessa área é a plataforma Wecycle, criada com o objetivo de desenvolver negócios e iniciativas para a valorização de resíduos plásticos por meio de parcerias. O propósito é trazer confiabilidade e qualidade ao desenvolvimento de produtos, soluções e processos que envolvam todos os elos da cadeia de reciclagem do plástico.

O Wecycle oferece matéria-prima de plástico reciclado com qualidade, rastreabilidade, regularidade de processos e atuação com responsabilidade social e ambiental para empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Trata-se de uma iniciativa que reforça o compromisso da Braskem com a inovação, a sustentabilidade e a cadeia do plástico no Brasil. Para saber mais acesse: http://www.braskem.com.br/wecycle

Veja Também

novo

Conheça o impacto ambiental dos produtos que você consome
O impacto da indústria criativa na economia
Voltar