ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Aldeia das Crianças foi projetada para atender alunos na zona rural do Tocantins. Complexo desenvolvido por arquitetos brasileiros valorizando a construção local foi considerado o melhor projeto do ano pelo Riba

Os brasileiros Gustavo Utrabo, 34, e Pedro Duschenes, 32, do escritório Aleph Zero, e o estúdio do designer Marcelo Rosenbaum, venceram o prêmio de “Excelência profissional” do Royal Institute of British Architects (RIBA) em 2018, um dos mais prestigiosos do mundo. O projeto agraciado foi o “Children’s Village”, ou Aldeia das Crianças, criado para uma escola rural no Tocantins, na região Norte do Brasil.

A Aldeia das Crianças foi desenvolvida para atender trabalhadores rurais, professores e 840 crianças, com salas escolares, dormitórios, um refeitório e um pequeno hospital. A edificação oferece acomodação para crianças em idade escolar na fazenda Canuanã, na área rural de Formoso do Araguaia, a 300 quilômetros de Palmas, em Tocantins.

A área de 23,344 metros quadrados foi construída em madeira de reflorestamento com estrutura pré-fabricada e tijolos feitos no local, para driblar a dificuldade de transporte dos materiais e reduzir a emissão de gases do efeito estufa. Os ambientes são ventilados com alvenaria perfurada a mão, para manter o ambiente fresco e aconchegante no calor da região, que costuma chegar, facilmente, aos 40 graus.

O local conta, também, com escadas de madeira e passarelas com sacadas, dando vistas aos pátios e jardins paisagísticos alinhados aos dormitórios, que são separados em alas masculina e feminina. O edifício não recebeu vidros nem possui ar condicionado e é rodeado por uma espécie de tanque com peixes locais abastecido por água da chuva. Quando chove demais, a água em excesso é direcionada ao Rio Javaés, que cruza o complexo.

O ambiente no qual a escola está inserida abriga três biomas distintos: cerrado, floresta amazônica e pantanal. Financiado pela Fundação Bradesco, a Aldeia das Crianças é uma das 40 escolas dirigidas pela Fundação com o objetivo de proporcionar educação para crianças em comunidades rurais de todo o Brasil.

Esse não foi o primeiro prêmio vencido pelo projeto – em fevereiro de 2018, o concurso “Building of the Year 2018” reconheceu a Aldeia das Crianças como o “Melhor Edifício de Arquitetura Educacional”.

Concorrentes de peso

Para vencer o prêmio bianual do RIBA em 2018, o trabalho dos brasileiros enfrentou competidores importantes. A cada dois anos a organização escolhe um projeto que representa a excelência em arquitetura e que proporciona impacto social significativo na região onde ele foi desenvolvido.

Este ano, o júri recebeu 20 propostas, e, ao final, ficaram quatro. Um deles é o Toho Gakuen School of Music, uma escola de música no subúrbio de Tóquio. A estrutura de concreto tem painéis de absorção acústica que revestem os tetos. Já as paredes têm um engenhoso sistema de revestimento de madeira que retém o som dentro das salas de prática musical.

O Milan’s Il Bosco Verticale, na Itália, também estava entre os finalistas. O projeto consiste em duas torres de 112 metros de altura, com quase 17 mil arbustos e plantas. O prédio abriga uma vegetação equivalente a 20.000 metros quadrados de floresta e vegetação rasteira – sobre uma superfície urbana de 1.500 metros quadrados. As torres substituíram um antigo prédio industrial e estão sendo usadas como incubadora de arte.

O terceiro projeto que concorreu ao prêmio deste ano ao lado da proposta brasileira é o da Central European University, em Budapeste, na Hungria, assentada num edifício considerado patrimônio da humanidade, com vista para o rio Danúbio. O espaço retoma a herança de pátios de Budapeste e une vários edifícios em uma sequência interna de áreas distintas e rotas feitas com pedras e tijolos locais. O desenvolvimento incluiu materiais indígenas com qualidade artesanal e o projeto foi pensado com detalhismo, para ser construído dentro das capacidades dos empreiteiros locais.

Conteúdo publicado em 21 de dezembro de 2018

Veja Também

Brasil tem bom índice de coleta de lixo plástico, mas recicla pouco

Brasil tem bom índice de coleta plástica, mas recicla pouco

A ONG internacional WWF publicou o relatório Solucionar a Poluição Plástica: Transparência e Responsabilização, que afirma a “urgência de um acordo global para conter a poluição por plásticos”. [...]

Mercado brasileiro de orgânicos fatura R$ 4 bilhões em um ano

Mercado brasileiro de orgânicos fatura R$ 4 bilhões em um ano

O mercado de produtos orgânicos está em franca expansão no Brasil. Somente em 2018, o setor faturou R$ 4 bilhões, um resultado 20% superior àquele registrado no ano anterior, de acordo com o [...]

Gil Anderi: “o início e o fim de um produto são um só, a natureza”

Gil Anderi: “o início e o fim de um produto são um só, a natureza”

Nas últimas décadas, o tema da sustentabilidade ganhou espaço até então inédito na sociedade e no setor produtivo. A preocupação com o impacto ambiental cresceu e os aspectos a serem considerados [...]