ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Orçado em R$ 1,8 bilhão, o gigantesco laboratório de 68 mil metros quadrados é um dos únicos dois no mundo de quarta geração de luz síncrotron e tem função acadêmica e de desenvolvimento industrial

O Brasil acaba de inaugurar sua maior e mais complexa infraestrutura de pesquisa científica de todos os tempos e um dos dois mais modernos laboratórios de aceleradores de elétrons do planeta. Localizado em Campinas, no Estado de São Paulo, o Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira, foi oficialmente aberto em 14 de novembro. O projeto foi planejado para “colocar o Brasil na liderança mundial de produção de luz síncrotron e foi projetada para ter o maior brilho dentre todos os equipamentos na sua classe de energia”. Ele é um dos únicos dois laboratórios de quarta geração do mundo; o outro é o MAX-IV, na Suécia.

A estrutura que recebe o equipamento tem 15 metros de altura e 68 mil metros quadrados e o aparelho funciona como um grande microscópio que, ao revelar a estrutura molecular, atômica e eletrônica dos mais diversos materiais, permite pesquisas em praticamente qualquer área do conhecimento. “Com potencial de resolver grandes problemas da atualidade”, afirmam seus administradores.

O equipamento em si é uma máquina com caminho de 500 metros de circunferência cuja função é acelerar elétrons a uma velocidade a quase da luz e, assim produzir a luz síncrotron.

A estrutura pode receber até 800 pesquisadores e, quando estiver com capacidade máxima, terá condições para operar em 13 linhas ativas de pesquisa e em 40 estações experimentais simultâneas.

O que é a luz síncrotron

A luz, ou radiação, síncrotron é um tipo de radiação eletromagnética de alto fluxo e alto brilho que se estende por uma faixa ampla do espectro eletromagnético desde a luz infravermelha, passando pela radiação ultravioleta e chegando aos raios X, como explica o site do Sirius. A energia do feixe de luz síncrotron permite investigar e conhecer com precisão a composição de materiais em níveis atômicos.

Leia mais:
Paulo Artaxo: “o desenvolvimento sustentável é a nossa única saída”
Sistema polêmico que transforma água em energia promete economia
Inteligência artificial: como a máquina opera sem direção humana?

Sirius: história de quase uma década

A concepção do projeto teve início em 2009, motivada pelo fato de a então fonte de luz síncrotron do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) estar defasada do ponto de vista tecnológico – chamada UVX, foi construída em 1997 e até a inauguração atendia em média mil pesquisadores por ano.

Três anos depois, o corpo científico brasileiro e o governo federal concordaram em desenvolver uma máquina de quarta geração, o que, àquela época, seria a primeira do mundo. Assim, o projeto passou a ser orçado em R$ 1,8 bilhão – até agora, cerca de R$ 1,12 bilhão foram repassados para o projeto, sendo R$ 282 milhões só em 2018.

O projeto foi quase integralmente desenvolvido no Brasil. De todo desenvolvimento técnico e da totalidade das peças e ferramentas, 85% é referente a profissionais brasileiros e à indústria nacional.

Embora já esteja em funcionamento para a fase de testes desde sua inauguração, o Sirius ainda não foi completamente concluído. O anel principal está em fase de montagem e sua conclusão está prevista para maio de 2019 – ele poderá manter seis linhas de luz.

O que o Sirius pode fazer?

De acordo com informações do próprio Sirius, a estrutura terá energia duas vezes maior e emitância (divergência do feixe de elétrons) aproximadamente 360 vezes menor que a do UVX. Essa combinação fará com que o brilho da luz síncrotron emitida seja, em certas frequências, mais de um bilhão de vezes superior ao que hoje está disponível aos pesquisadores.

Com a tecnologia de altíssima geração do Sirius, será possível estudar de forma mais qualificada materiais duros e densos, como aços, metais, concretos e rochas – que podem ter impacto em projetos como o da exploração da camada de pré-sal. Suas aplicações podem também viabilizar pesquisas em áreas estratégicas, como energia, alimentação, meio ambiente, saúde e defesa, entre outros. Confira algumas aplicações.

Complexo Sirius. Crédito: Divulgação LNLS/CNPEM

O uso do Sirius

Como o novo experimento pode contribuir com pesquisas nas áreas de agricultura, energia e saúde:

Na agricultura

A tecnologia pode ser usada para análise do solo e no mapeamento da concentração, biodisponibilidade e localização de nutrientes em espécies vegetais;

No setor energético

Permite o desenvolvimento de novas tecnologias de exploração de petróleo e gás natural e materiais e sistemas para células solares, células combustível e baterias;

Na saúde

Pode desenvolver nanopartículas para o diagnóstico de câncer e combate a vírus e bactérias e identificar estruturas de proteínas e unidades intracelulares complexas para criar novos medicamentos.

Conteúdo publicado em 17 de dezembro de 2018

Veja Também

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Já reparou que não passa um dia sem que um grande lançamento ou anúncio de investimento seja feito no setor de carros elétricos? Marcas já consagradas, há décadas no mercado, hoje se acotovelam [...]

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças [...]

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]