ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Equipamento ajuda a mapear condições meteorológicas, oceânicas e ambientais. Iniciativas públicas e privadas poderão usar as informações geradas

Um radar de fabricação japonesa vai ajudar a monitorar a poluição na Baía de Guanabara, uma das mais reconhecíveis baías do mundo, eternizada em músicas e símbolo da beleza natural do Brasil. A expectativa, com a operação do novo equipamento, é monitorar o movimento do lixo flutuante com precisão e facilitar o recolhimento desse material.

“Nos dados gerados pelo radar, uma mancha de óleo, por exemplo, e um aglomerado de lixo dão reflexos diferentes entre si, e diferentes do de uma onda do mar”, diz Arthur Ayres Neto, coordenador do curso de geofísica da Universidade Federal Fluminense (UFF), uma das instituições envolvidas com a iniciativa. “A ideia é monitorar e controlar esses resíduos e criar ações cada vez mais eficientes para lidar com eles”, afirma.

Além da UFF, pesquisadores do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) participaram do desenvolvimento da solução, batizada de Banda X. O aparelho mede 3,5 metros de comprimento e foi instalado a 15 metros do solo, no topo do prédio do Instituto de Geociências da UFF, que oferece ampla visão da região.

O Banda X emite pulsos de ondas eletromagnéticas que se propagam na água e são refletidas em rochas, embarcações, resíduos e outros, retornando ao equipamento. “A tecnologia é de radar convencional, como o de um navio. A diferença é que ele vem com essa camada a mais, que é o sistema que a gente desenvolveu”, diz Arthur.

Operação

Como a operação do radar começou recentemente, os responsáveis ainda estudam como organizações públicas e privadas podem ter acesso às informações geradas pelo equipamento. Um caminho seria disponibilizar os dados diretamente aos órgãos comprometidos com a limpeza da área. “O Ibama, por exemplo, pode ter acesso aos dados, detectar uma mancha de olho e imediatamente despachar uma equipe para instalar uma barreira e fazer a coleta antes que ela se espalhe”, diz Arthur.

A função de monitoramento de resíduos da ferramenta deve ser usada para reduzir os impactos ambientais da poluição na região do trecho entre a Ilha Rasa e a Ponte Rio-Niterói. Arthur lembra que uma das vantagens do radar é revelar poluição que nem sempre está visível nas águas da Guanabara e que, frequentemente, passa despercebida por quem faz a coleta do lixo na região.

Conteúdo publicado em 22 de novembro de 2018

Veja Também

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Já reparou que não passa um dia sem que um grande lançamento ou anúncio de investimento seja feito no setor de carros elétricos? Marcas já consagradas, há décadas no mercado, hoje se acotovelam [...]

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças [...]

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]