ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Japoneses assumem compromisso de usar energia solar e à base de hidrogênio; mais: as 5 mil medalhas distribuídas serão de metal reciclado de eletrônicos descartados

O comitê organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, em 2020, assumiu o compromisso de fazer o evento com 100% de energia limpa e renovável. De acordo com o jornal Japan Times, os organizadores afirmam que se trata de um plano para promover uma sociedade mais sustentável a partir da preparação para eventos quadrienais, caso das Olimpíadas.

Já está confirmado que a vila dos atletas, o principal centro de imprensa e o centro de transmissão internacional serão abastecidos com fontes de energia limpa. A principal matriz energética usada na capital japonesa será a solar. Para isso, o comitê organizador prepara parcerias com empresas para instalar e operar painéis solares. A estratégia compreende, também, a instalação de placas solares em ruas e estradas de Tóquio e redondezas. Os painéis serão instalados nas vias e cobertos por uma resina especial que irá garantir a segurança dos carros que passarem por cima delas.

Outra fonte de energia avaliada pelos japoneses para os Jogos Olímpicos é a eletrólise, ou seja, a conversão de hidrogênio. De acordo com o site norte-americano CityLab, o plano é que a Vila Olímpica, bairro estruturado para abrigar 6 mil apartamentos, seja abastecido também com a tecnologia. O investimento dedicado para a implementação da energia a hidrogênio foi orçado em cerca de US$ 350 milhões.

Leia mais:
Sistema polêmico que transforma água em energia promete economia
Painel solar será obrigatório em casas californianas a partir de 2020
Copa 2018: Fifa exige estádios verdes e compensação de carbono

O esforço na busca por energias renováveis é um processo mais amplo da sociedade japonesa. Segundo o CityLab, o país está estudando alternativas com mais afinco desde o acidente com a usina nuclear de Fukushima, em 2011. A eletrólise do hidrogênio é avaliada como uma das mais alternativas mais animadores: sua matéria-prima a água. Atualmente, além da matriz nuclear, o Japão tem como fontes energéticas o petróleo, o carvão e o gás natural, todos com recursos importados.

Metal das medalhas virá de eletrônicos reciclados

Além de promover energias limpas, a organização dos Jogos Olímpicos de 2020 pretende valorizar a reciclagem, sobretudo de materiais eletrônicos. Todas as cerca de 5 mil medalhas que serão distribuídas durante o evento serão produzidas a partir de metais recuperados de aparelhos eletrônicos, como smartphones.

Autoridades japonesas e do Comitê Olímpico Internacional anunciam que celulares reciclados irão virar medalha

Desde abril de 2017, 70% dos municípios japoneses coletam celulares e outros equipamentos em residências e lojas especializadas: em um ano, mais de 3 milhões de peças e 14 milhões de toneladas foram recolhidas. A campanha seguirá até meados de 2019. A primeira competição olímpica cujas medalhas foram confeccionadas com material reciclado foram os Jogos Olímpicos de Inverno Vancouver-2010, estratégia repetida no Rio-2016, quando os objetos continham 30% de elementos reciclados.

A expectativa é que, com a iniciativa, sejam coletados 40 quilos de ouro, 2.920 quilos de prata e 2.994 quilos de bronze. De acordo com o jornal o Globo, cada medalha terá 0,048 grama de ouro, 0,26 grama de prata e 12 gramas de cobre, sendo que as douradas serão banhadas com mais 6 gramas de ouro puro.

Meta de reciclagem e cronograma

A organização japonesa para a Olimpíada de 2020 está em dia com o cronograma. De acordo com o último relatório divulgado pelo Conselho Esportivo Japonês, as instalações para o evento estão 40% prontas, casos da Vila Olímpica e do Centro Olímpico Aquático.

Durante as obras, a meta estabelecida pelo comitê é que de que 99% dos bens adquiridos sejam ou reutilizados ou reciclados ao final do evento. O comitê também assumiu o compromisso de reutilizar ou reciclar pelo menos 65% de resíduos produzidos pelos torcedores nos locais de competição, como garrafas e embalagens de comida.

Conteúdo publicado em 10 de outubro de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

Desde 2005, a Braskem usa a Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) para conhecer os aspectos relativos à sustentabilidade de sua cadeia de valor. As informações geradas pelos estudos de ACV embasam decisões relativas ao negócio. Ainda na cadeia de valor, a Braskem criou a Rede Empresarial Brasileira de ACV, fórum que congrega empresas para discutir o conceito e disseminar boas práticas na aplicação da ferramenta no ambiente empresarial.

Outra iniciativa da Braskem nessa área é a plataforma Wecycle, criada com o objetivo de desenvolver negócios e iniciativas para a valorização de resíduos plásticos por meio de parcerias. O propósito é trazer confiabilidade e qualidade ao desenvolvimento de produtos, soluções e processos que envolvam todos os elos da cadeia de reciclagem do plástico.

O Wecycle oferece matéria-prima de plástico reciclado com qualidade, rastreabilidade, regularidade de processos e atuação com responsabilidade social e ambiental para empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Trata-se de uma iniciativa que reforça o compromisso da Braskem com a inovação, a sustentabilidade e a cadeia do plástico no Brasil. Para saber mais acesse: http://www.braskem.com.br/wecycle

Veja Também

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Já reparou que não passa um dia sem que um grande lançamento ou anúncio de investimento seja feito no setor de carros elétricos? Marcas já consagradas, há décadas no mercado, hoje se acotovelam [...]

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças [...]

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]