Japoneses assumem compromisso de usar energia solar e à base de hidrogênio; mais: as 5 mil medalhas distribuídas serão de metal reciclado de eletrônicos descartados

O comitê organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio, em 2020, assumiu o compromisso de fazer o evento com 100% de energia limpa e renovável. De acordo com o jornal Japan Times, os organizadores afirmam que se trata de um plano para promover uma sociedade mais sustentável a partir da preparação para eventos quadrienais, caso das Olimpíadas.

Já está confirmado que a vila dos atletas, o principal centro de imprensa e o centro de transmissão internacional serão abastecidos com fontes de energia limpa. A principal matriz energética usada na capital japonesa será a solar. Para isso, o comitê organizador prepara parcerias com empresas para instalar e operar painéis solares. A estratégia compreende, também, a instalação de placas solares em ruas e estradas de Tóquio e redondezas. Os painéis serão instalados nas vias e cobertos por uma resina especial que irá garantir a segurança dos carros que passarem por cima delas.

Outra fonte de energia avaliada pelos japoneses para os Jogos Olímpicos é a eletrólise, ou seja, a conversão de hidrogênio. De acordo com o site norte-americano CityLab, o plano é que a Vila Olímpica, bairro estruturado para abrigar 6 mil apartamentos, seja abastecido também com a tecnologia. O investimento dedicado para a implementação da energia a hidrogênio foi orçado em cerca de US$ 350 milhões.

Leia mais:
Sistema polêmico que transforma água em energia promete economia
Painel solar será obrigatório em casas californianas a partir de 2020
Copa 2018: Fifa exige estádios verdes e compensação de carbono

O esforço na busca por energias renováveis é um processo mais amplo da sociedade japonesa. Segundo o CityLab, o país está estudando alternativas com mais afinco desde o acidente com a usina nuclear de Fukushima, em 2011. A eletrólise do hidrogênio é avaliada como uma das mais alternativas mais animadores: sua matéria-prima a água. Atualmente, além da matriz nuclear, o Japão tem como fontes energéticas o petróleo, o carvão e o gás natural, todos com recursos importados.

Metal das medalhas virá de eletrônicos reciclados

Além de promover energias limpas, a organização dos Jogos Olímpicos de 2020 pretende valorizar a reciclagem, sobretudo de materiais eletrônicos. Todas as cerca de 5 mil medalhas que serão distribuídas durante o evento serão produzidas a partir de metais recuperados de aparelhos eletrônicos, como smartphones.

Autoridades japonesas e do Comitê Olímpico Internacional anunciam que celulares reciclados irão virar medalha

Desde abril de 2017, 70% dos municípios japoneses coletam celulares e outros equipamentos em residências e lojas especializadas: em um ano, mais de 3 milhões de peças e 14 milhões de toneladas foram recolhidas. A campanha seguirá até meados de 2019. A primeira competição olímpica cujas medalhas foram confeccionadas com material reciclado foram os Jogos Olímpicos de Inverno Vancouver-2010, estratégia repetida no Rio-2016, quando os objetos continham 30% de elementos reciclados.

A expectativa é que, com a iniciativa, sejam coletados 40 quilos de ouro, 2.920 quilos de prata e 2.994 quilos de bronze. De acordo com o jornal o Globo, cada medalha terá 0,048 grama de ouro, 0,26 grama de prata e 12 gramas de cobre, sendo que as douradas serão banhadas com mais 6 gramas de ouro puro.

Meta de reciclagem e cronograma

A organização japonesa para a Olimpíada de 2020 está em dia com o cronograma. De acordo com o último relatório divulgado pelo Conselho Esportivo Japonês, as instalações para o evento estão 40% prontas, casos da Vila Olímpica e do Centro Olímpico Aquático.

Durante as obras, a meta estabelecida pelo comitê é que de que 99% dos bens adquiridos sejam ou reutilizados ou reciclados ao final do evento. O comitê também assumiu o compromisso de reutilizar ou reciclar pelo menos 65% de resíduos produzidos pelos torcedores nos locais de competição, como garrafas e embalagens de comida.

Conteúdo publicado em 10 de outubro de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

Desde 2005, a Braskem usa a Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) para conhecer os aspectos relativos à sustentabilidade de sua cadeia de valor. As informações geradas pelos estudos de ACV embasam decisões relativas ao negócio. Ainda na cadeia de valor, a Braskem criou a Rede Empresarial Brasileira de ACV, fórum que congrega empresas para discutir o conceito e disseminar boas práticas na aplicação da ferramenta no ambiente empresarial.

Outra iniciativa da Braskem nessa área é a plataforma Wecycle, criada com o objetivo de desenvolver negócios e iniciativas para a valorização de resíduos plásticos por meio de parcerias. O propósito é trazer confiabilidade e qualidade ao desenvolvimento de produtos, soluções e processos que envolvam todos os elos da cadeia de reciclagem do plástico.

O Wecycle oferece matéria-prima de plástico reciclado com qualidade, rastreabilidade, regularidade de processos e atuação com responsabilidade social e ambiental para empresas comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Trata-se de uma iniciativa que reforça o compromisso da Braskem com a inovação, a sustentabilidade e a cadeia do plástico no Brasil. Para saber mais acesse: http://www.braskem.com.br/wecycle

Veja Também

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

O ser humano pisou na Lua pela primeira vez em 20 de julho de 1969. Nos três anos seguintes, outras seis missões do projeto Apollo levaram 12 astronautas à superfície lunar. Mas, desde que a [...]

Viu o Met Gala? 5 peças foram feitas em impressoras 3D; veja quais

Viu o Met Gala? 5 peças foram feitas em impressoras 3D; veja quais

Todos os anos, o Met Gala, um dos bailes à fantasia mais disputados do mundo, acontece no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, e atrai personalidades de Hollywood e do colunismo social [...]

Pela primeira vez, drone é usado para entregar rim para transplante

Pela primeira vez, drone é usado para entregar rim para transplante

Poucas tecnologias são tão versáteis quanto os drones. Esses pequenos objetos voadores, controlados remotamente ou autônomos, são amplamente usados por indústrias tão distintas quanto a da [...]