ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao longo de seis décadas, a Agência Espacial Norte-americana já levou o homem à Lua, veículos a Marte e revolucionou a relação do ser humano com o espaço. Relembre alguns dos momentos e das imagens mais icônicas desta história

A fundação da Agência Espacial Norte-Americana, Nasa (National Aeronautics and Space Administration) mudou para sempre a história da ciência e da própria humanidade. No dia 1° de outubro de 1958, suas operações tiveram início em meio a uma intensa guerra científica e espacial entre Estados Unidos e União Soviética.

Em julho daquele ano, o presidente norte-americano Dwight Eisenhower assinou a lei que determinava a criação da agência como uma reação ao programa espacial soviético, que dera início à corrida espacial em 1957, quando colocou em órbita o primeiro satélite artificial, o Sputnik. Quatro meses depois, o embrião da Nasa lançou o satélite Explorer 1.

Antes da oficialização da Nasa como conhecemos, os EUA concentravam suas missões no Naca (National Advisory Committee for Aeronautics; em português Comitê Nacional para Aconselhamento sobre Aeronáutica), criado em 1917. Quando o Naca foi transformado em Nasa, trabalhavam no programa 8 mil pessoas. Hoje, são aproximadamente 18 mil profissionais.

Ao longo dessas seis décadas, as missões da Nasa ressignificaram a relação do homem com o universo e tiveram, como consequência, o desenvolvimento de tecnologias que fazem parte de nosso dia a dia, caso das câmeras usadas hoje pelos smartphones – as fotos e vídeos produzidos pelos astronautas usavam sensores similares.

Destacamos aqui os cinco momentos mais importantes da história da Nasa. Veja:

Homem na Lua

Neil Armstrong pisa na Lua. Crédito: Nasa

Em 1961, a URSS enviou o primeiro ser humano ao espaço. O astronauta Yuri Gagarin inaugurou esta nova fase da humanidade – um mês depois, o norte-americano Alan Shepard fez o mesmo. Após o feito soviético, o presidente dos EUA John Kennedy impôs a missão de levar um homem à Lua e trazê-lo vivo à Terra até o fim daquela década. E conseguiu.

Assim começou o programa Apollo, cuja primeira missão, a Apollo 1, falhou em solo, durante testes, e matou três tripulantes, em 1967. Dois anos depois, a Apollo 11 teve sucesso em enviar uma aeronave até a Lua carregando a dupla de astronautas Buzz Aldrin e Neil Armstrong, o primeiro a pisar em solo lunar e autor da célebre frase: “um pequeno passo para um homem, um grande passo para a humanidade”.

À época, 530 milhões de pessoas assistiram à transmissão do evento – que viria a ser questionado por teorias da conspiração, cujas versões sugerem que a gravação não passou de uma montagem. Além de Aldrin e Armstrong, mais dez pessoas foram à Lua, a última delas em 1972.

Lançamento das Voyager

Projeto Voyager. Crédito: Nasa

Em 1977, a Nasa enviou ao espaço as aeronaves Voyager 1 e Voyager 2. O curioso é que a Voyager 2 foi lançada duas semanas antes da Voyager 1 (em 20 de agosto enquanto o segundo lançamento foi em 5 de setembro). O motivo foi a trajetória diferente de cada uma delas: a Voyager 2 fez uma rota mais elíptica e a Voyager 1 foi direto a seus alvos, Júpiter e Saturno.

A pedido do astrônomo Carl Sagan, em 1990, a Nasa virou as lentes da Voyager 1 para a Terra e captou uma imagem da Terra a 6 bilhões de quilômetros de distância: a imagem icônica foi chamada de “Pálido Ponto Azul” por Sagan. Após se tornar o primeiro objeto criado pelo homem a romper a barreira do sistema solar e alcançar o espaço interestelar em 2013, a nave segue voando pelo universo carregando consigo “sons da Terra”, um disco com gravações de línguas do mundo todo e composições de Beethoven e Bach.

Ônibus Espacial: ascensão e queda

Lançamento ônibus espacial. Crédito: Nasa

O projeto do Ônibus Espacial substituiu o Projeto Apollo, em 1981, com uma aeronave reutilizável e muito potente – suas unidades atingiram 7 milhões de libras de potência, menos poderosas apenas que o Saturn V, com 7,5 milhões de libras de potência e que foi desativado em 1973. Foram desenvolvidos quatro orbitadores após a nave protótipo, chamado Enterprise. Columbia, Challenger, Discovery e Atlantis somaram 135 missões espaciais, 133 delas bem-sucedidas e duas que terminaram em tragédia.

O lançamento mal sucedido da Challenger em 1986, 73 segundos após a decolagem, matou sete tripulantes e abalou a confiança no programa. Até então, a ideia era que cada modelo fizesse uma média de 24 lançamentos por ano. Em 2003, a Columbia (primeira aeronave funcional das quatro a ir ao espaço) falhou na reentrada e o mundo acompanhou as imagens de seus destroços no céu – sete tripulantes morreram.

Sob denúncias de falhas no controle de qualidade das aeronaves – que teria sido a razão dos dois acidentes – o programa que nasceu para baratear a ida ao espaço foi encerrado em 2011.

Os olhos do Hubble

Observador espacial Hubble. Crédito: Nasa

O telescópio Hubble, cujo nome é uma homenagem ao astrônomo americano Edwin Hubble, foi colocado em órbita em 24 de abril de 1990 a bordo do ônibus espacial Discovery e inaugurou a era dos grandes observatórios espaciais da Nasa em pleno espaço sideral.

Desde seu lançamento, o Hubble dá uma volta na terra a cada 97 minutos a uma altura de 593 km acima no nível do mar – de onde tira fotografias espetaculares de outros sistemas estelares e galáxias, como a GN-z11, a mais distante já encontrada, a 13,4 bilhões de anos-luz de distância de nós.

A missão Hubble foi estendida até 2021, quando o telescópio será desativado. Seu substituto, o James Webb, tem lançamento previsto para 2020.

As missões Marte

Imagem de Marte pela missão Pathfinder. Crédito: Nasa

A Nasa já soma alguns projetos dedicados a entender características de Marte. Data de 1962 a primeira delas: a Marine 1, que fracassou e se auto destruiu após o lançamento. A Marine 4, lançada dois anos depois, chegou perto do planeta vermelho e conseguiu fazer imagens dele. A primeira grande missão marciana, contudo, foi o Projeto Viking: a agência espacial enviou, em 1975, duas naves a Marte, sendo que uma delas pousou em sua superfície. Foi o primeiro objeto construído pelo homem a chegar a outro planeta.

Na década de 1990 começou a era dos rovers: jipes que percorrem a superfície marciana em busca de informações sobre o planeta. Em 1996, o primeiro deles decolou nos EUA em direção a Marte: o Mars Pathfinder. Em 2003, as missões Mars Exploration Rover A e B enviaram para lá os rovers Spirit e Opportunity, que segue em atividade até hoje. Outra missão ativa em solo vizinho é o Mars Science Laboratory, cujo veículo, Curiosity, foi lançado em 2011.

A mais recente missão Marte foi ao espaço em maio de 2018. O Lander InSight se fixará na sua superfície vermelha e irá investigar informações de seu subsolo. A Nasa também já assumiu seu novo grande objetivo: até 2030, levar uma nave tripulada e permitir que o ser humano pise pela primeira vez em outro planeta.

Conteúdo publicado em 18 de outubro de 2018

Veja Também

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Como carros elétricos aumentam o uso de energias renováveis?

Já reparou que não passa um dia sem que um grande lançamento ou anúncio de investimento seja feito no setor de carros elétricos? Marcas já consagradas, há décadas no mercado, hoje se acotovelam [...]

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças [...]

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]