Aquecimento global altera o balanço térmico de regiões e microrregiões gerando frio e calor intensos. Revestimento que usa nanotecnologia promete agir como filtro térmico sem impacto ambiental

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço térmico de regiões e microrregiões e resulta em termômetros que marcam muito calor e que também podem registar intenso frio.

Como resultado, mais e mais se consome energia para gerar condições térmicas adequadas em ambientes fechados. Ferramentas como aquecedores ou aparelhos de ar-condicionado exigem muito da rede elétrica e/ou do consumo de combustíveis fósseis – a matriz energética que mais emite gases de efeito estufa. No mundo todo, atividades relacionadas à geração de calor consomem 42% de todo o petróleo do planeta.

A dupla de cientistas químicos Brian Schultz e Sean Depner promete uma solução para mitigar o problema. A empresa liderada pelos dois, Dimien, é especializada em nanotecnologia e desenvolveu um material inédito: um modelo de revestimento invisível que transforma janelas em filtros térmicos que se adaptam ao clima em tempo real.

No caso dos revestimentos convencionais, mesmo aqueles de maior eficiência térmica, a entrada de luz infravermelha é estática e, portanto, a passagem de calor é sempre a mesma, independentemente da temperatura interna do ambiente. No produto batizado de E3 View Smart Window, um nanomaterial manipulado em laboratório transforma a reação do revestimento à temperatura: se o ambiente estiver quente, menos calor entra; se estiver frio, mais calor entra.

Leia mais
Como startups fazem crescer o agronegócio
Dessalinização da água é a melhor resposta para a crise hídrica?
No lugar certo, bactérias podem gerar energia e até limpar a água

De acordo com a Dimien, o revestimento pode ser acoplado a janelas já existentes, não altera a transparência e não prejudica a luminosidade. É possível até “desligar” o efeito de inteligência térmica do material por meio de um tipo de interruptor que remodela a nanotecnologia. A promessa da empresa é que a inovação garanta sustentabilidade energética e menos custos com adequações térmicas.

Produção de água supercrítica para baterias

O uso da nanotecnologia é aplicado também para um projeto ainda mais inovador. Trata-se de produzir água supercrítica (acima do ponto crítico de temperatura e pressão, muito útil em processos industriais e laboratoriais) de forma sustentável e reutilizável. A substância será aplicada em baterias de alta capacidade.

A água supercrítica exibe propriedades diferentes quando está sujeita a calor e pressão extremos – especificamente, 373 graus Celsius e 220 bars, ou mais de 3.000 libras de pressão por polegada quadrada. Esse processo geralmente exige grande quantidade de energia e envolve grande volume de solventes potencialmente tóxicos. Com a nanotecnologia, estes impactos serão reduzidos a quase zero.

Conteúdo publicado em 6 de maio de 2019

Veja Também

novo

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Em 2018, Frances H. Arnold, professora de Engenharia Química do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), foi reconhecida com o prêmio máximo de sua carreira: o Prêmio Nobel de Química. A [...]

novo

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

O ser humano pisou na Lua pela primeira vez em 20 de julho de 1969. Nos três anos seguintes, outras seis missões do projeto Apollo levaram 12 astronautas à superfície lunar. Mas, desde que a [...]

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Difícil encontrar um smartphone que não tenha instalado aplicativos de transporte. Seja solicitação de viagem sob medida, carona coletiva, aluguel de bicicletas ou até uso compartilhado de [...]