LSEV foi apresentado no Museu Cultural de Impressão 3D em Xangai pela empresa chinesa Polymaker e pela fabricante italiana de carros elétricos XEV

LSEV é o nome do primeiro carro elétrico feito com impressão 3D produzido em massa. A novidade é fruto de uma parceria entre a Polymaker, uma empresa chinesa de impressão 3D, e a XEV, fabricante italiana de carros elétricos. O LSEV, que deve entrar em produção no segundo trimestre de 2019, foi apresentado recentemente no Museu Cultural de Impressão 3D em Xangai, na China. Diferente de uma impressora normal, a impressora 3D é um equipamento capaz de imprimir peças com volume – portanto, tridimensionais – usando filamentos plásticos.

A XEV não é a primeira montadora a usar a impressão 3D para construir um veículo, mas outras fabricantes, como a Local Motors, só produzem pequenos lotes usando a tecnologia. Agora, com a ajuda da Polymaker, a fabricante italiana será capaz de fazer o LSEV em escala.

Desenvolvimento veloz

Graças à impressão 3D, o tempo de desenvolvimento do carro foi encurtado se comparado aos três a cinco anos de um veículo produzido pelo método tradicional. A projeção das empresas é que o desenvolvimento de um novo carro elétrico feito com impressão 3D leve apenas 3 a 12 meses – ou seja, pelo menos três vezes mais rápido.

Além disso, todas as partes visíveis do carro, salvo o chassi, assentos e vidro, são feitos com a tecnologia. E uma curiosidade: são apenas 57 peças distintas no LSEV contra as mais de 2 mil de um carro tradicional. Tamanha redução, segundo comunicado da Polymaker, representou queda de 70% nos custos.

Ou seja, o carro fica pronto três vezes mais rápido e custa 70% menos que os veículos tradicionais. Pesando apenas 450 kg, o LSEV já tem 7 mil unidades encomendadas, sendo 5 mil para a Poste Italiane, o prestador de serviços postais italiano, e os outros 2 mil para uma empresa de locação de veículos chamada ARVAL. O LSEV custa cerca de US$ 10 mil, aproximadamente R$ 35 mil.

E você, gostaria de ter um?

Conteúdo publicado em 28 de março de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem desenvolve pesquisa e parcerias para o desenvolvimento de resinas plásticas para impressão 3D. Um dos projetos é a parceria com a Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para operação em gravidade zero e fornecedora da NASA. Nesta iniciativa, chamada de Imprimindo o Futuro, a Braskem ajudou o homem a dar mais um importante passo ao levar em 2016 para a Estação Espacial (ISS) a impressão 3D e o Plástico Verde, feito de cana-de-açúcar, ao espaço.

Mais: a segunda etapa do Imprimindo o Futuro será realizada este ano quando será enviado para a Estação Espacial (ISS) uma recicladora que transformará todo o resíduo plástico da estação em filamento a ser utilizado na impressora 3D. Assim a Braskem e a Made In Space vão promover a primeira operação comercial de reciclagem de plástico na história das missões espaciais.

Após a chegada do Plástico Verde I’m greenTM ao espaço para impressão 3D de ferramentas, os astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS) poderão, a partir deste ano, também utilizar esta recicladora de objetos e embalagens plásticas capaz de ampliar ainda mais a autonomia e a sustentabilidade das futuras missões fora do Planeta Terra.

Veja Também

novo

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Em 2018, Frances H. Arnold, professora de Engenharia Química do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), foi reconhecida com o prêmio máximo de sua carreira: o Prêmio Nobel de Química. A [...]

novo

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

O ser humano pisou na Lua pela primeira vez em 20 de julho de 1969. Nos três anos seguintes, outras seis missões do projeto Apollo levaram 12 astronautas à superfície lunar. Mas, desde que a [...]

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Difícil encontrar um smartphone que não tenha instalado aplicativos de transporte. Seja solicitação de viagem sob medida, carona coletiva, aluguel de bicicletas ou até uso compartilhado de [...]