ASSINE NOSSA NEWSLETTER

LSEV foi apresentado no Museu Cultural de Impressão 3D em Xangai pela empresa chinesa Polymaker e pela fabricante italiana de carros elétricos XEV

LSEV é o nome do primeiro carro elétrico feito com impressão 3D produzido em massa. A novidade é fruto de uma parceria entre a Polymaker, uma empresa chinesa de impressão 3D, e a XEV, fabricante italiana de carros elétricos. O LSEV, que deve entrar em produção no segundo trimestre de 2019, foi apresentado recentemente no Museu Cultural de Impressão 3D em Xangai, na China. Diferente de uma impressora normal, a impressora 3D é um equipamento capaz de imprimir peças com volume – portanto, tridimensionais – usando filamentos plásticos.

A XEV não é a primeira montadora a usar a impressão 3D para construir um veículo, mas outras fabricantes, como a Local Motors, só produzem pequenos lotes usando a tecnologia. Agora, com a ajuda da Polymaker, a fabricante italiana será capaz de fazer o LSEV em escala.

Desenvolvimento veloz

Graças à impressão 3D, o tempo de desenvolvimento do carro foi encurtado se comparado aos três a cinco anos de um veículo produzido pelo método tradicional. A projeção das empresas é que o desenvolvimento de um novo carro elétrico feito com impressão 3D leve apenas 3 a 12 meses – ou seja, pelo menos três vezes mais rápido.

Além disso, todas as partes visíveis do carro, salvo o chassi, assentos e vidro, são feitos com a tecnologia. E uma curiosidade: são apenas 57 peças distintas no LSEV contra as mais de 2 mil de um carro tradicional. Tamanha redução, segundo comunicado da Polymaker, representou queda de 70% nos custos.

Ou seja, o carro fica pronto três vezes mais rápido e custa 70% menos que os veículos tradicionais. Pesando apenas 450 kg, o LSEV já tem 7 mil unidades encomendadas, sendo 5 mil para a Poste Italiane, o prestador de serviços postais italiano, e os outros 2 mil para uma empresa de locação de veículos chamada ARVAL. O LSEV custa cerca de US$ 10 mil, aproximadamente R$ 35 mil.

E você, gostaria de ter um?

Conteúdo publicado em 28 de março de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem desenvolve pesquisa e parcerias para o desenvolvimento de resinas plásticas para impressão 3D. Um dos projetos é a parceria com a Made In Space, empresa norte-americana líder no desenvolvimento de impressoras 3D para operação em gravidade zero e fornecedora da NASA. Nesta iniciativa, chamada de Imprimindo o Futuro, a Braskem ajudou o homem a dar mais um importante passo ao levar em 2016 para a Estação Espacial (ISS) a impressão 3D e o Plástico Verde, feito de cana-de-açúcar, ao espaço.

Mais: a segunda etapa do Imprimindo o Futuro será realizada este ano quando será enviado para a Estação Espacial (ISS) uma recicladora que transformará todo o resíduo plástico da estação em filamento a ser utilizado na impressora 3D. Assim a Braskem e a Made In Space vão promover a primeira operação comercial de reciclagem de plástico na história das missões espaciais.

Após a chegada do Plástico Verde I’m greenTM ao espaço para impressão 3D de ferramentas, os astronautas na Estação Espacial Internacional (ISS) poderão, a partir deste ano, também utilizar esta recicladora de objetos e embalagens plásticas capaz de ampliar ainda mais a autonomia e a sustentabilidade das futuras missões fora do Planeta Terra.

Veja Também

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Ciência: nova técnica treina o cérebro para curar doenças em uma hora

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças [...]

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Só em 2017, foram investidos R$ 11,4 bilhões nos parques de energia eólica, e sua capacidade de produção cresceu 26,2% no período; hoje, o Brasil é o oitavo maior produtor do mundo