Baterias usadas podem ser estratégicas para dar estabilidade a sistemas de geração de energia intermitente, como os modelos solar e eólico

Já reparou que não passa um dia sem que um grande lançamento ou anúncio de investimento seja feito no setor de carros elétricos? Marcas já consagradas, há décadas no mercado, hoje se acotovelam com novos players, como a Tesla Motors, na disputa pelo bilionário e crescente ramo de veículos movidos por energia elétrica. Nada disso, porém, seria possível sem uma tecnologia chave: a bateria. Hoje, são elas que determinam o rendimento e o tempo de vida de um carro elétrico. E quando a vida útil dessas baterias acaba – ela dura cerca de 10 anos – não resta muito que se fazer com elas, a não ser o descarte adequado.

Mas isso está para mudar.

Leia também:
O carro do futuro será autônomo, elétrico e reciclável
LSEV será primeiro carro elétrico feito com impressão 3D produzido em massa
Salão de Paris: 5 carros elétricos que você precisa conhecer

Bateria velha: uma aliada da energia renovável

Uma pesquisa conduzida pela McKinsey, uma consultoria empresarial americana, mostrou que o crescente volume de baterias velhas de carros elétricos pode ter um novo e nobre destino: a armazenagem de energia de fontes renováveis e intermitentes, como solar e eólica. Hoje, um dos gargalos para o aumento da adoção dessas soluções de produção energética sustentáveis é o fato de que, se não venta, falta energia para quem é abastecido por fontes eólicas e, se não faz sol, falta energia para quem é abastecido por energia solar.  

Com baterias, esse problema seria contornado. É aí que entram os carros elétricos – e suas baterias usadas. As exigências para sistemas de bateria estacionários são menos rigorosas que as exigências para sistemas móveis, como os que funcionam em carros. Dessa maneira, quando uma bateria está velha demais para funcionar em um carro, ela pode ser reaproveitada por sistemas estacionários – em casas, escritórios, hotéis, hospitais etc.

Segundo a McKinsey, até 2030, cerca de 220 GWh poderão ser armazenados em baterias estacionárias de segunda mão. Considerando que o consumo médio de uma residência brasileira gira em torno dos 157 KWh, isso equivale à demanda de cerca de 1,4 mil casas.

Se aprofunde no assunto

Se interessou pelo tema? Então dá uma olhada na íntegra do estudo publicado em abril de 2019 pela McKinsey chamado “Second-life EV batteries: The newest value pool in energy storage” (em inglês, gratuito e em formato PDF). Para quem quiser se aprofundar ainda mais, vale consultar, também em inglês e gratuitamente, um artigo da mesma consultoria intitulado “How residential energy storage could help support the power grid”, de março de 2019.

Conteúdo publicado em 23 de maio de 2019

Veja Também

novo

O que é indústria 4.0 e como ela pode afetar seu emprego?

O que é indústria 4.0 e como ela pode afetar seu emprego?

Quem tem medo da indústria 4.0? Em muitos círculos, a chegada da quarta revolução industrial causa calafrios. Entre os mais preocupados, um medo assusta mais do que qualquer outro: o desemprego. [...]

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

O ser humano pisou na Lua pela primeira vez em 20 de julho de 1969. Nos três anos seguintes, outras seis missões do projeto Apollo levaram 12 astronautas à superfície lunar. Mas, desde que a [...]

Viu o Met Gala? 5 peças foram feitas em impressoras 3D; veja quais

Viu o Met Gala? 5 peças foram feitas em impressoras 3D; veja quais

Todos os anos, o Met Gala, um dos bailes à fantasia mais disputados do mundo, acontece no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, e atrai personalidades de Hollywood e do colunismo social [...]