ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Desenvolvido por pesquisadores brasileiros, o treinamento é capaz de alterar a neuroplasticidade e melhorar a conectividade funcional do cérebro

Um treinamento relativamente simples com duração de apenas uma hora é capaz de mudar determinados padrões de comportamento cerebral e potencialmente até condicionar o cérebro para curar doenças de caráter neurológico ou mental. Essa é a conclusão do estudo produzido por neurocientistas brasileiros da UFRJ e do Instituto D’OR de Ensino e Pesquisa, publicado na revista científica Neuroimage.

De acordo com a pesquisa, a técnica desenvolvida pode reverter sintomas e sequelas resultantes de acidente vascular cerebral (AVC), doença e Parkinson e até depressão.

O estudo envolveu 36 voluntários saudáveis que foram submetidos ao treinamento que usa a técnica de neurofeedback. Deste total, 19 participantes receberam o tratamento real e os outros 17 receberam um tratamento placebo. Os pesquisadores monitoraram, com aparelhos de ressonância magnética, as imagens cerebrais antes e depois do treinamento: com a ferramenta, é possível acompanhar a comunicação e as conexões entre as áreas do cérebro.

Leia mais
Como o uso de redes sociais impacta nossa saúde mental?
Inteligência artificial: como a máquina opera sem direção humana?
Joshua Greene: “a moral é uma poderosa ferramenta da evolução humana”

Dessa forma, os pesquisadores identificaram que a comunicação funcional entre essas áreas aumentou e que o corpo caloso (“principal ponte cerebral, responsável pela comunicação entre áreas sensitivas e motoras nos hemisférios direito e esquerdo”, segundo a nota oficial divulgada pela equipe responsável) apresentou maior robustez estrutural. Em outras palavras: o sistema ficou mais forte.

“Sabemos que o cérebro tem uma capacidade fantástica de modificação, mas não tínhamos certeza de que era possível observá-la tão rapidamente”, afirma Theo Marins, biomédico e doutorando responsável pelo estudo, em nota.

Como funciona o neurofeedback?

O conceito chave para o desenvolvimento desta técnica é a neuroplasticidade, ou seja, a condição do cérebro de se adaptar a novos estímulos a todo momento – e, portanto, poder mudar sua forma de criar conexões, de estabelecer padrões e comportamento e alterar a base do aprendizado e da memória.

A ferramenta do neurofeedback transforma a atividade neural captada pelo equipamento de ressonância magnética e transforma em imagens. Na tela, os pesquisadores acompanham a movimentação, representada como uma espécie de termômetro, em tempo real.

Conforme o treinamento (baseado em uma série de tarefas de imagens motoras sem movimento evidente) avança, os neurocientistas podem observar a neuroplasticidade de cada indivíduo em teste – quem recebeu o treinamento real aumentou sua conectividade funcional, avanço não identificado no grupo que recebeu treinamento simulado.

“O próximo passo será descobrir se pacientes que sofrem de desordens neurológicas também podem se beneficiar do neurofeedback, e se ele é capaz de diminuir os sintomas destas doenças”, concluiu a médica radiologista Fernanda Tovar Moll, presidente do IDOR e líder da pesquisa, em nota.

Conteúdo publicado em 10 de maio de 2019

Veja Também

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

Nanotecnologia cria materiais “antimudanças climáticas”

O avanço das mudanças climáticas vem provocando elevação nas temperaturas globais, mas suas consequências são mais amplas do que o aquecimento geral da Terra: o fenômeno altera todo o balanço [...]

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Só em 2017, foram investidos R$ 11,4 bilhões nos parques de energia eólica, e sua capacidade de produção cresceu 26,2% no período; hoje, o Brasil é o oitavo maior produtor do mundo

Paraná terá a primeira usina brasileira de energia gerada a lixo

Paraná terá a primeira usina brasileira de energia gerada a lixo

O estado do Paraná irá receber a primeira usina brasileira de energia gerada a partir do “lixo”, ou seja, de uma combinação de resíduos orgânicos e lodo de esgoto. A usina terá a tecnologia de [...]