As tecnologias de bioengenharia e bioimpressão 3D prometem revolucionar o mundo com a possibilidade de produzir órgãos e tecidos humanos para tratamentos de saúde: estudo recente mostrou que estamos perto dessa realidade

Produzir órgãos e tecidos sob medida para pacientes cujas enfermidades necessitam de transplante parece uma realidade distante, mas esta tecnologia pode estar bem perto de se tornar possível. Um grande passo neste caminho foi apresentado no artigo publicado pela revista científica Nature Medicine. Um grupo de pesquisadores da Universidade San Diego produziu, com uma impressora 3D, um trecho de medula espinhal que pode ser customizada de acordo com a lesão de cada paciente.

Este trabalho é pioneiro em bioengenharia porque o tecido de bioimpressão 3D foi aplicado em organismos vivos – no caso, ratos de laboratório. Mais que isso: as células desenvolvidas em laboratório conseguiram, de fato, percorrer toda medula espinhal lesionada e recuperar parcialmente o movimento dos animais.

Nos testes, os pesquisadores primeiro imprimiram implantes feitos com um tipo específico de gel e os encheram com células-tronco neurais. Estes implantes foram colocados cirurgicamente na medula espinhal lesionada dos roedores e, com o tempo, as novas células nervosas cresceram e formaram novas conexões através dela – e se conectaram não apenas umas às outras, mas também com as células nativas do organismo dos ratos, tanto na própria medula quanto no sistema circulatório.

Isso pode acontecer porque a tecnologia criada pela equipe do Prof. Shaochen Chen é capaz de atingir nível de qualidade inédito em suas bioimpressoras 3D: a maioria das máquinas só consegue imprimir até 200 mícrons, enquanto esta impressora produz tecidos de até 1 mícron. Assim, é possível preencher o tecido comprometido com extrema precisão.

Medula espinhal feita em impressora 3D. Crédito: David Baillot/UC San Diego Jacobs School of Engineering

“Esta é a beleza de nossa impressão 3D: podemos imitar a estrutura; outras máquinas não conseguem fazer o mesmo”, afirmou Chen em entrevista à revista de tecnologia Wired. Seu departamento está trabalhando em novos formatos de bioimpressão de tecidos humanos: nos últimos dois anos, testaram tecidos hepático e cardíaco e um tratamento contra dependência química em drogas ilícitas.

Bioengenharia e bioimpressão 3D: o que fazem?

Em grande medida, cientistas, engenheiros e pesquisadores médicos que trabalham com bioengenharia se dedicam a produzir tecidos humanos (ou tecidos animais, de forma mais ampla) ou ferramentas mecânicas (como articulações e/ou membros protéticos) que possam ser aplicados em pacientes com necessidades específicas.

Esta tecnologia é tida como uma das fontes mais promissoras no desenvolvimento celular e na produção de mini-órgãos, válvulas, cartilagens etc. que possam ser transplantados para humanos ou animais, ou colaborar para a regeneração destes tecidos. No entanto, a falta de padronização nas pesquisas e os debates éticos sobre sua aplicação são dois obstáculos para este setor.

No caso da pesquisa da Universidade San Diego, por exemplo, para a medula espinhal bioimpressa ser testada em humanos é preciso que a técnica seja testada novamente em ratos, mas em tipos diferentes de lesões, e, posteriormente, também em primatas.

Outras estruturas exigem ainda mais tempo e cuidado em seu desenvolvimento. O Instituto Wake Forest de Medicina Regenerativa, em 2018, apresentou o primeiro cérebro “organóide” impresso em 3D com todos os seis grupos celulares encontrados na anatomia humana.

O modelo abre as portas para a descoberta mais rápida de medicamentos para doenças de condições neurológicas, como a doença de Alzheimer, a esclerose múltipla e a doença de Parkinson, para que os pesquisadores possam entender melhor seus caminhos e progressão.

“Neste momento, podemos imprimir os materiais que imitam a estrutura do cérebro e adicionar sinais bioquímicos. Mas ainda há muito o que não se sabe sobre como fazer um cérebro funcionar”, pondera Christine Schmidt, engenheira biomédica da Universidade da Flórida à Wired.

Conteúdo publicado em 29 de março de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem é desenvolvedora e produtora do plástico verde usado na mistura do “cimento espacial” – este tipo de plástico pode ser encontrado pelo consumidor final em produtos com o selo “I’m green”. A empresa investiu na fase de pesquisa para o desenvolvimento do material até inaugurar a primeira planta de polietileno verde em escala comercial do mundo, em Triunfo, no Rio Grande do Sul. A instalação, que custou US$ 290 milhões, tem capacidade produtiva de 200 mil toneladas de polietileno verde por ano e usa a cana-de-açúcar como insumo.

A Braskem também é parceira da “Made in Space”, que lançará uma recicladora de plástico à Estação Espacial Internacional, a 408 km de altitude. A previsão é de que a recicladora chegue à estação no segundo semestre de 2018. A máquina tem como objetivo fechar o ciclo do plástico verde no espaço ao reciclar ferramentas produzidas por uma impressora 3D já instalada na estação que usa o polietileno verde como filamento.

Conheça o programa Imprimindo o Futuro, o projeto conjunto de Braskem e Made in Space: https://www.braskem.com.br/imprimindoofuturo

Veja Também

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Energia eólica será a segunda maior fonte energética do Brasil em 2019

Só em 2017, foram investidos R$ 11,4 bilhões nos parques de energia eólica, e sua capacidade de produção cresceu 26,2% no período; hoje, o Brasil é o oitavo maior produtor do mundo

Paraná terá a primeira usina brasileira de energia gerada a lixo

Paraná terá a primeira usina brasileira de energia gerada a lixo

O estado do Paraná irá receber a primeira usina brasileira de energia gerada a partir do “lixo”, ou seja, de uma combinação de resíduos orgânicos e lodo de esgoto. A usina terá a tecnologia de [...]

Dessalinização da água é a melhor resposta para a crise hídrica?

Dessalinização da água é a melhor resposta para a crise hídrica?

A crise hídrica global é uma realidade e os prognósticos não são nada animadores: a ONU afirma que “até 2030, o planeta enfrentará um déficit de água de 40%, a menos que seja melhorada [...]