Fundação investe no desenvolvimento de novas tecnologias que possam melhorar a performance dos atuais banheiros e criam alternativa para a universalização do acesso ao saneamento básico

De acordo com relatório da Organização Mundial da Saúde, três em cada dez pessoas não têm acesso à água potável em casa, e seis em cada dez carecem de saneamento seguro. Ou seja, mais de 4 bilhões de pessoas em todo o mundo vivem em situação de saneamento precária, lidando diariamente com a falta de água potável para consumo, higiene e padecendo com esgotos abertos e doenças evitáveis.

Atenta a isso, a maior organização filantrópica privada do mundo, a Fundação Bill e Melinda Gates, vem investindo pesadamente na criação de novas soluções para os imensos desafios de saneamento do planeta. No final de 2018, Bill Gates – que também é cofundador da Microsoft e uma das pessoas mais ricas do mundo – anunciou um novo produto:  uma privada que não precisa de água ou esgoto e que usa a química para transformar dejetos humanos em fertilizante.

Gates diz que o novo banheiro está pronto para ser colocado à venda após anos de trabalho. “A privada atual simplesmente envia os resíduos para a água, enquanto essas novas privadas sequer precisam estar ligadas ao esgoto”, disse Gates em entrevista à Reuters. “Eles recebem os líquidos e os sólidos e trabalham esses materiais quimicamente”.

A Fundação Gates estima que a deficiência no serviço de saneamento básico mate meio milhão de crianças menores de cinco anos anualmente e custe ao mundo mais de US$ 200 bilhões por ano em gastos com saúde e renda perdida. Por isso, a fundação e as equipes envolvidas destinaram US$ 200 milhões para desenvolver a nova privada. Outros US$ 200 milhões devem ser gastos para garantir a produção e distribuição, em escala, desses produtos.

Leia também:
A privada do futuro
Como economizar água no campo?
Por que é importante ampliar e diversificar a produção de água?

Privada e computação

Bill Gates comparou a mudança das privadas tradicionais para os modelos sem água ao desenvolvimento da computação, na época em que fundou a Microsoft, em meados da década de 1970. “Do mesmo modo que um computador pessoal é independente, não uma coisa gigantesca, podemos fazer esse processamento químico no nível do lar”, afirmou.

Gates ainda disse que o próximo passo para o projeto é lançar o conceito para os fabricantes. Ele estima que, até 2030, o mercado de privadas seja de mais de US$ 6 bilhões.

Confira o vídeo com a apresentação de Bill Gates:

Conteúdo publicado em 21 de fevereiro de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem lidera, ao lado da SANASA e com apoio da Rede Brasil do Pacto Global da ONU, o movimento Menos Perdas Mais Água. Desde 2015, a iniciativa atua em prol da redução de perdas hídricas no sistema de distribuição. O movimento já conseguiu mostrar que as perdas de água agravam a vulnerabilidade das bacias hidrográficas, uma vez que intensificam o desequilíbrio entre oferta e demanda pelo recurso. A situação das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí de São Paulo (PCJ-SP) é uma das mais preocupantes. Lá, as perdas totalizam 183 milhões de m³ ao ano, o que equivale a 60% de todo consumo anual do setor industrial regional, com suas cerca de 1.500 empresas. A Braskem não se limita a melhorar apenas a sua pegada hídrica. A empresa também atua em parceria com seus clientes, fornecedores e parceiros estratégicos para desenvolver novos produtos, aplicações e soluções que aumentam a eficiência no uso da água em toda a cadeia de valor.

Veja Também

novo

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Como Nobel de Química usa micróbios para o desenvolvimento sustentável

Em 2018, Frances H. Arnold, professora de Engenharia Química do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), foi reconhecida com o prêmio máximo de sua carreira: o Prêmio Nobel de Química. A [...]

novo

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

Conheça a nave que pode levar o homem de volta à Lua em 2024

O ser humano pisou na Lua pela primeira vez em 20 de julho de 1969. Nos três anos seguintes, outras seis missões do projeto Apollo levaram 12 astronautas à superfície lunar. Mas, desde que a [...]

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Epidemia urbana: até onde chega a febre dos veículos compartilhados?

Difícil encontrar um smartphone que não tenha instalado aplicativos de transporte. Seja solicitação de viagem sob medida, carona coletiva, aluguel de bicicletas ou até uso compartilhado de [...]