Programa convoca voluntários do mundo todo para combater o problema de resíduos sólidos, detritos marinhos e descarte inadequado em geral. As mobilizações anuais duram 24 horas e incluem ações nas redes sociais

Um quilo e 200 gramas por dia. A estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU) é de que cada pessoa produza, em média, 1,2 kg de resíduos sólidos urbanos (RSU) diariamente. Sete bilhões de seres humanos produzem 1,4 bilhão de toneladas por ano. Mas daqui a dez anos serão 2,2 bilhões de toneladas anuais. Se continuarmos no mesmo ritmo, em 2050 teremos 9 bilhões de habitantes no planeta e 4 bilhões de toneladas de lixo urbano por ano.

O problema dos resíduos sólidos se concentra, sobretudo, no descarte inadequado: aterros, entulhos, esgoto, poluição marinha. Foi pensando nisso que um grupo de pessoas na Estônia se reuniu há 10 anos e criou uma ação que mobilizou 4% da população do país para sair às ruas e limpar os resíduos despejados ilegalmente, em questão de horas.

O World Cleanup Day cresceu e hoje envolve 5% da população mundial – 150 países estão comprometidos com a chamada “onda verde”, que começa na Nova Zelândia e termina 36 horas depois, no Havaí. Todos trabalhando por um planeta limpo e saudável. “Temos consciência de que limpar as ruas em um dia não vai resolver o problema. Mas a ideia é mobilizar as pessoas e mostrar a quantidade de lixo descartado de maneira irregular. Sensibilizar as pessoas para que comecem a descartar resíduos adequadamente”, explica a bióloga Elisângela Rodrigues, professora das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU).

“Queremos mostrar a importância da separação [do resíduo]. Papel e plástico não são lixo. É material reaproveitável, reciclável e vale dinheiro.” Elisângela conta que o bairro da Liberdade, em São Paulo,  onde dá aulas, é majoritariamente comercial e o movimento de alunos é intenso. Dessa maneira, a ação para o Cleanup Day procurou envolver alunos e pessoas que trabalham na região para participarem dos eventos de preparação e também das atividades no dia 15.

Heleno Oliveira também é professor, dá aulas de geografia na rede Municipal e Estadual de ensino e integra a Rede Geração Solidária, que atua na zona norte de São Paulo. Depois dos eventos preparatórios, que incluíram mutirão de limpeza, oficinas de educação ambiental, compostagem, plantio de mudas, gincana ambiental e atrações culturais, ele espera mobilizar pelo menos mil pessoas no sábado.

“Queremos despertar as pessoas para a necessidade de vivermos em uma cidade mais limpa, sustentável e mais solidária. Mostrar para os governantes que é essencial uma política de educação ambiental eficaz”, diz Oliveira. Ele atende crianças a partir de 10 anos, mas seus alunos chegam a faixa etária dos 70. Oliveira decidiu fazer parte das mobilizações por acreditar no poder da educação e das ações individuais que têm impacto na experiência coletiva. “As pessoas podem e devem fazer a sua parte. Somos responsáveis pelo lixo que produzimos e não devemos esperar ações somente do poder público.”

Limpando um país inteiro

No Brasil, 343 cidades, 25 estados e 22 capitais vão participar do Dia Mundial da Limpeza. Diversas iniciativas estão representadas no esforço nacional nessa data: organizações não governamentais, governos, universidades, empresas, associações, escolas públicas e privadas. O Instituto Limpa Brasil, grande promotor da campanha, realiza, só em São Paulo, 19 ações voluntárias de cunho socioambiental entre os dias 14, 15 e 16. No dia 15 as ações acontecem em 5 áreas da cidade: Parque do Ibirapuera, Parque Cândido Portinari, Parque Raposo Tavares, Avenida Liberdade e na Praça Comandante Eduardo de Oliveira.

Frederico Duarte, coordenador do Limpa Brasil São Paulo em ações do Dia Mundial da Limpeza, explica que no Parque Raposo Tavares a programação consistirá em uma palestra do Instituto Akatú sobre o ciclo de vida do plástico. Também será apresentada uma breve história do Parque, que no passado foi um lixão e agora está totalmente revitalizado, além do mutirão de limpeza e triagem dos resíduos coletados na cooperativa de material reciclável local. As ações acontecem em parceria com o programa de voluntariado da Braskem e Fundação Greenfinity, além da Prefeitura de São Paulo e da Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

“Meu desejo é que haja mudança de comportamento em relação ao consumo. Já observamos esforços que buscam mudança, muito por conta da tecnologia na comunicação que possibilita a consciência dos consumidores em relação aos processos produtivos. Entretanto, a educação ambiental é na verdade uma questão cívica. Discussões em sala de aula sobre o tema e percepções sobre o espaço público é chave, em minha opinião. A campanha traz essa bandeira com uma interdisciplinaridade, pois são muito países participantes, culturas e realidades distintas que partilham de um mesmo objetivo.”

Mas as atividades não terminam nessa data. Quem quiser participar pode baixar o aplicativo World Cleanup e ajudar a mapear o lixo que encontrar. Basta tirar a foto, ativar o localizador e marcar exatamente o local em que o resíduo foi descartado. Depois que tomar as providências para a limpeza, tirar uma nova foto. O mapa ajuda a identificar locais viciados de descarte irregular, fazer relatórios e pensar políticas públicas específicas para cada região.

Conteúdo publicado em 14 de setembro de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Gincana de Voluntariado Braskem é uma iniciativa global da empresa que busca estimular os colaboradores a realizarem ações de voluntariado em organizações sociais próximas às suas localidades. Os participantes podem formar equipes com no mínimo dois membros de diferentes áreas da empresa. Depois de formada a equipe, eles escolhem uma instituição para a qual querem oferecer serviços. Em 2018, voluntários da Braskem participarão das atividades do World Cleanup Day.

Veja Também

novo

Quem é Greta Thunberg, ambientalista de 16 anos cotada ao Nobel da Paz

Quem é Greta Thunberg, ambientalista de 16 anos cotada ao Nobel da Paz

Desde agosto de 2018, ainda com 15 anos, Greta Thunberg, todas as sextas-feiras, faz greve de aula e troca a escola pelo prédio do parlamento sueco, em Estocolmo. Ela chega às 8 da manhã em [...]

novo

Cientistas conseguem produzir coração completo em impressora 3D

Cientistas conseguem produzir coração completo em impressora 3D

Uma equipe de cientistas da Universidade de Tel Aviv (TAU, de Israel) conseguiu um feito inédito. No laboratório de biologia molecular e biotecnologia da instituição, eles puderam produzir o [...]

Índios brasileiros do MT ganham prêmio da ONU por sistema de produção

Índios brasileiros do MT ganham prêmio da ONU por sistema de produção

A Associação Indígena Kĩsêdjê (AIK), que representa os índios da etnia de mesmo nome, localizados em Querência, região do Xingu, no Mato Grosso, foi uma das vencedoras do Prêmio Equatorial 2019. [...]