Paciente londrino teve vírus HIV eliminado de seu organismo com mesmo método que curou Timothy Brown, em 2007. Entenda como funciona o tratamento e conheça os dados da Aids no Brasil e no mundo

Pela segunda vez, um paciente portador de HIV conseguiu se livrar do vírus. Um tratamento que envolve transplante de células-tronco eliminou o HIV do organismo humano de forma estável depois de 12 anos de sua primeira aplicação bem-sucedida.

O episódio foi revelado em um artigo publicado na revista científica Nature e descrito como um importante avanço na medicina e na busca pela cura definitiva da Aids. O paciente, residente em Londres, foi diagnosticado também com leucemia e recebeu um transplante de células-tronco da medula óssea de um doador compatível – este doador apresenta também uma mutação genética rara resistente à infecção do HIV.

O tratamento foi iniciado três anos atrás; nos últimos 18 meses os remédios retrovirais foram interrompidos sem qualquer registro do reaparecimento do vírus. O procedimento é o mesmo que livrou o norte-americano Timothy Brown da Aids em 2007. Brown realizou o tratamento com células-tronco na Alemanha e, assim como o londrino, venceu o câncer e eliminou o HIV de seu corpo – não houve reversão de seu quadro até o momento, 12 anos depois.

A Sociedade Internacional para a Aids (IAS) celebrou a realização dos pesquisadores da Universidade de Londres como um novo avanço para a descoberta definitiva da cura para a doença. “Embora não seja uma estratégia viável de grande escala para a cura, essas novas descobertas reafirmam nossa crença de que o HIV é curável”, afirmou o presidente da IAS, Anton Pozniak. “A esperança é que isso leve a uma estratégia segura, econômica e fácil para alcançar esses resultados usando tecnologia genética ou técnicas de anticorpos”, concluiu.

Os números da Aids hoje: Brasil e mundo

Estima-se que, atualmente, cerca de 37 milhões de pessoas em todo mundo estejam infectadas com o HIV, sendo que somente 75% dos portadores sabem de sua condição e apenas 60% estão em tratamento. Deste total, 1,8 milhão adquiriu o vírus em 2017.

Desde que a pandemia da Aids teve início, na década de 1980, calcula-se que 35 milhões de pessoas tenham morrido em decorrência da doença. A Organização Mundial da Saúde afirma que, todos os anos, cerca de 1 milhão de pessoas morrem devido ao HIV, mas sem saber de sua condição.

No Brasil, o Ministério da Saúde estima que aproximadamente 866 mil pessoas vivam com HIV, sendo 731 mil diagnosticadas e 585 mil já em tratamento com remédios retrovirais fornecidos pelo SUS. Em 2017, foram registrados 30 mil novos casos, majoritariamente em homens (73%) e pessoas entre 20 e 24 anos (36%).

Conteúdo publicado em 2 de abril de 2019

Veja Também

novo

O que é a síndrome de burnout, o “estresse crônico do trabalho”?

O que é a síndrome de burnout, o “estresse crônico do trabalho”?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu a síndrome de burnout na publicação da 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11). Embora não a classifique como uma doença, mas [...]

Quem é Greta Thunberg, ambientalista de 16 anos cotada ao Nobel da Paz

Quem é Greta Thunberg, ambientalista de 16 anos cotada ao Nobel da Paz

Desde agosto de 2018, ainda com 15 anos, Greta Thunberg, todas as sextas-feiras, faz greve de aula e troca a escola pelo prédio do parlamento sueco, em Estocolmo. Ela chega às 8 da manhã em [...]

Acessibilidade no trabalho: além das rampas e elevadores

Acessibilidade no trabalho: além das rampas e elevadores

A inclusão de pessoas com deficiência no trabalho tem dois aspectos principais. Um deles é legal: a Lei 8213/91, conhecida como Lei de cotas para deficientes nas empresas, exige a participação [...]