Finlândia e mais países nórdicos lideram a lista; o Brasil é o 28º. A metodologia considera seis fatores, como renda, liberdade, generosidade e percepção de corrupção

Todos os anos, o World Happiness Report publica o ranking que lista 156 países de acordo com seu “índice de felicidade”. Na edição de 2018, a Finlândia aparece no topo da publicação, seguida por Noruega e Dinamarca. No fim da lista, apontados nas três últimas posições estão Sudão do Sul, República Centro-Africana e e Burundi. O Brasil ocupa a 28ª posição.

 A avaliação do World Happiness Report leva em consideração dados produzidos entre 2015 e 2017 pelos próprios países e pela empresa de inteligência e pesquisas Gallup. A metodologia analisa seis fatores para determinar a pontuação final. São eles: PIB per capita; rede de proteção social; expectativa de vida saudável; grau de liberdade para tomada de decisões; generosidade; percepção de corrupção. De acordo com os organizadores do ranking, o grau de confiabilidade da pesquisa é de 95%.

 “Todos os países no topo do ranking tendem a apresentar altos índices para estes seis fatores dedicados ao bem-estar. Entre esses países, as diferenças nestes fatores variam muito pouco a ponto de que mudanças de posições anuais não sejam esperadas”, afirma o documento.

Países em desenvolvimento, por outro lado, apresentam variações bem mais intensas de desempenho. Em comparação com a edição que coletou dados entre 2008 e 2010, Togo foi a nação que teve a maior melhora em seus índices e saltou 17 posições no ranking. A crise econômica e de abastecimento pela qual passa a Venezuela fez dela o país que mais perdeu pontos: foram menos 2,2 pontos em uma escala que varia de 0 (zero) a 10 (dez).

Desempenho do Brasil e da América Latina

O Brasil também perdeu pontos em comparação com o ranking cuja data base é 2010. O índice de felicidade brasileiro variou 0,424 ponto para baixo. Hoje, o país ocupa a 28ª posição, com 6,419 pontos, o quarto mais bem colocado da América Latina, atrás de, respectivamente, México, Chile e Panamá e uma posição à frente da Argentina.

Em uma pesquisa sobre autopercepção de felicidade, Brasil e América Latina apresentaram índices superiores à média global. Nesta pesquisa é feita a pergunta: “de 0 a 10, sendo 10 a melhor vida possível e 0 como a pior vida possível, qual número representa a forma como você se sente?”. A média das respostas dadas por brasileiros foi de 6,73, mais alta que a do continente latino-americano (6,07), por sua vez superior à média global (5,42).

Um dos fatores que contribui para a média latino-americana de felicidade ser superior à global é a satisfação com a presença de familiares e amigos. Os idealizadores do ranking identificaram relação entre o grau de autopercepção de felicidade com a proximidade familiar. De acordo com os dados apresentados, o Brasil é um dos países do mundo no qual as pessoas mais visitam amigos e família pelo menos uma vez por semana (65%) e Argentina, Venezuela e México têm os índices mais altos de satisfação familiar (média acima de 6, em uma escala de 0 a 10).

Os melhores países para imigração

O World Happiness Report dedica grande parte de seu trabalho para avaliar as condições de vida de migrantes e, principalmente, imigrantes. E foi identificado que os dez países mais bem posicionados no ranking de “nações mais felizes do mundo” também são aquelas que proporcionam a seus imigrantes maior grau de felicidade. A Finlândia lidera em ambos.

“A felicidade muda de acordo com a qualidade da sociedade na qual a pessoa vive. A felicidade dos imigrantes, assim como dos cidadãos nativos, depende de fatores relacionados ao tecido social, estendendo-se além do fator ‘alta renda’, que tradicionalmente é o motivo das migrações”, diz o texto. “Os países com imigrantes mais felizes não são os mais ricos, mas os que têm conjunto mais equilibrado de suporte social e institucional para o bem estar”.

O índice que avalia não a felicidade, mas o quanto a sociedade aceita bem os imigrantes é liderado por, respectivamente, Islândia, Nova Zelândia, Ruana, Canadá e Serra Leoa. Os piores são Hungria, Montenegro e Macedônia.

Conteúdo publicado em 29 de maio de 2018

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

Bom ambiente de trabalho, remunerações justas, condições para atuar com segurança e ética, respeito à diversidade e à individualidade e reconhecimento ao valor do sujeito são fundamentais para o bem-estar do cidadão e, consequentemente, para sua felicidade. Estes são alguns dos pilares da EVP (proposta de valor ao empregado) apresentada pela Braskem para estabelecer uma cultura positiva entre seus funcionários e suas relações com o público externo.

Veja Também

Artista leva gelo da Groenlândia para centro de Londres; entenda

Artista leva gelo da Groenlândia para centro de Londres; entenda

Cerca de 45 toneladas de gelo foram rebocadas em 30 grandes blocos para criar a “Ice Watch London”; objetivo é chamar atenção do mundo para o aquecimento global

Diversidade no Congresso: veja quem são os eleitos pelo voto no Brasil

Diversidade no Congresso: veja quem são os eleitos pelo voto no Brasil

Apesar da alta taxa de renovação na Câmara e no Senado, diversidade de representantes eleitos para o Congresso brasileiro não bate com a composição de etnia, idade e gênero da população em geral; [...]

Qual o papel das cotas na garantia de diversidade nas instituições?

Qual o papel das cotas na garantia de diversidade nas instituições?

Estabelecer políticas que garantem diversidade no acesso à educação, à política e ao mercado de trabalho é uma obrigação do Estado: entenda como ações afirmativas ajudam a promover inclusão