Apesar da alta taxa de renovação na Câmara e no Senado, diversidade de representantes eleitos para o Congresso brasileiro não bate com a composição de etnia, idade e gênero da população em geral; confira em infográfico

As eleições realizadas no Brasil em 2018 escolheram os representantes do Executivo para os cargos de presidente da República e de governador nas 26 unidades da Federação. No pleito, também foram eleitos 513 deputados federais e 54 dos 91 senadores federais. Aos eleitos, cabe a missão de representar o povo brasileiro nos poderes Legislativo e no Executivo.

O pleito registrou taxa de renovação acima do comum. Entre os deputados federais, são 243 quadros novos, o que representa um índice de 47,3% de renovação. No Senado, os números são ainda mais expressivos: das 54 cadeiras, 46 foram ocupadas por novos nomes, ou seja, renovação acima de 85%.

No entanto, mesmo com muitas novidades, o Congresso, em especial, ainda está longe de refletir a distribuição da população brasileira das perspectivas de gênero, etnia e faixa etária.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população brasileira, hoje, é de 208,5 milhões, sendo 51,5% mulheres e 48,5% homens. Ainda de acordo com o IBGE, a maior parcela da população tem entre 30 anos e 34 anos (17 milhões), com média de 34,7 anos. Do ponto de vista étnico, a maior parcela de brasileiros se autodeclara parda (46,7%), seguida pelos brancos (44,2%), pretos (8,2%) e amarelos ou indígenas (somados são 0,9%).

Entre os eleitos do Legislativo, os números destoam de maneira expressiva dos números do IBGE. No caso dos senadores, a média de idade é de 56 anos, sendo que 87% dos novos eleitos são homens (13% são mulheres) e 79,9% são brancos (pardos são 20,4% e pretos são 5,7%). Entre os deputados, a idade média é de 49,2 anos, a distribuição de gênero apresenta 85% de homens e 15% de mulheres e a distribuição étnica tem brancos com 75%, pardos com 20,3%, pretos com 4,1% e amarelos e indígenas, ambos com 0,4%.

Leia também:
Diversidade e inclusão no ambiente de trabalho: desafio que vale
Qual o papel das cotas na garantia de diversidade nas instituições?
Por que não faz sentido dizer que mulher deve ganhar menos que homem

Com dados oficiais disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o bluevision produziu um infográfico com os dados distribuídos pelos Estados da Federação. Veja a seguir:

Infográfico sobre diversidade no Congresso

Conteúdo publicado em 19 de fevereiro de 2019

O que a Braskem está fazendo sobre isso?

A Braskem acredita que a promoção da diversidade fortalece a nossa cultura e reforça a nossa crença na valorização do ser humano. Com isso, cria-se um ambiente criativo, inclusivo, livre de preconceito e discriminação, onde todas/os se sentem à vontade para ser quem são. A consequência direta desse compromisso é a melhora nas relações entre as pessoas, o que colabora com a inovação e a produtividade. A empresa mantém o “Programa de Diversidade e Inclusão”, que opera, sobretudo, nos eixos de gênero, etnia e raça, identificação LGBT, pessoas com deficiência e fatores socioeconômicos. Entre as ações desenvolvidas pela Braskem, estão a capacitação de novas lideranças, extensão da licença maternidade, ações contra a violência de gênero, além de parceria com a “Empregue Afro”. Desde 2017, 90 colaboradores também integram grupos de trabalho nos temas Gênero, Raça e Etnia e LGBT a fim construir novas ações para o programa.

Veja Também

Artista leva gelo da Groenlândia para centro de Londres; entenda

Artista leva gelo da Groenlândia para centro de Londres; entenda

Cerca de 45 toneladas de gelo foram rebocadas em 30 grandes blocos para criar a “Ice Watch London”; objetivo é chamar atenção do mundo para o aquecimento global

Qual o papel das cotas na garantia de diversidade nas instituições?

Qual o papel das cotas na garantia de diversidade nas instituições?

Estabelecer políticas que garantem diversidade no acesso à educação, à política e ao mercado de trabalho é uma obrigação do Estado: entenda como ações afirmativas ajudam a promover inclusão

Pela primeira vez, mais de 50% da população mundial tem acesso à web

Pela primeira vez, mais de 50% da população mundial tem acesso à web

Segundo a ONU, 2019 começa com mais da metade da humanidade conectada. O acesso à internet é maior na Europa e nas Américas, mas, na última década, cresceu mais nos países em desenvolvimento