Painel Parcerias para a Sustentabilidade. Crédito: Lucas Landau

Virada Sustentável: painel debate parcerias e sustentabilidade

Para os painelistas, é impossível fazer sustentabilidade de forma isolada - evento acontece no Rio de Janeiro, tem mais de 500 atividades e vai até domingo (10)

RIO DE JANEIRO - O painel de abertura da segunda edição da Virada Sustentável no Rio de Janeiro, que acontece até domingo (10), tratou da importância das parcerias entre setores e da convergência de esforços para cumprir as metas ligadas ao desenvolvimento sustentável. O encontro foi realizado durante a Semana Mundial do Meio Ambiente, que também termina no domingo (10), e coincidiu com o Dia Mundial dos Oceanos, que recebe atenção especial em cidades litorâneas como o Rio de Janeiro.

Batizado de "Parcerias para a Sustentabilidade", o painel foi mediado por Marina Grossi, presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), e contou com as presenças de Daniel Mancebo, coordenador geral do Escritório de Planejamento da Prefeitura do Rio de Janeiro e um dos responsáveis pelo Plano de Desenvolvimento Sustentável da cidade, Jorge Soto, diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, e Shyrlei Rosendo, coordenadora de Mobilização do Eixo de Segurança Pública da Redes da Maré.

Pessoas, empresas e governos - juntos

Para Shyrlei Rosendo, as parcerias são fundamentais na construção de um futuro verdadeiramente sustentável. Como coordenadora de mobilização da Redes da Maré, ela argumentou que as primeiras e mais importantes parcerias acontecem entre as pessoas. Segundo Shyrlei, a união entre os que acreditam que outra sociedade é possível é o primeiro passo. "Se a gente não se une e acredita no cidadão, não adianta nem cuidar dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis)", afirmou. Os ODS são um acordo firmado por todos os Estados-membros da ONU e envolvem empresas e cidadãos para cumprir o objetivo de erradicar a pobreza, garantir segurança alimentar para todos e proteger o planeta de ameaças ambientais, entre outras metas, até 2030.

Na Maré, especificamente, onde Shyrlei trabalha para mobilizar a população em torno de uma agenda comum, ela lembra da união criada entre 16 diferentes associações de moradores para fazer um levantamento urbanístico da região. A partir das informações reveladas, ficou estabelecido que a Maré precisava de mais equipamentos educacionais. Unidos pela educação, os moradores reivindicaram esses aparelhos e, em menos de 10 anos, praticamente os triplicaram - de 16 para 44 equipamentos.

Jorge Soto, diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, reforçou que é impossível fazer sustentabilidade de forma isolada. "Como empresa, nosso papel é buscar soluções por meio dos negócios", afirmou. "Nesse sentido, nossas primeiras parcerias são com os nossos clientes, mas elas se estendem aos nossos fornecedores e, internamente, aos nossos integrantes".

Jorge Soto e Shyrlei Rosendo. Crédito: Lucas Landau

Ele relatou a parceria entre a Braskem e a Toyota Tsusho, fundamental para o desenvolvimento do PE Verde, biopolímero produzido a partir da cana-de-açúcar. "Eles queriam um produto novo e garantiram a primeira compra da resina que a gente desenvolveu", disse Soto. O diretor lembrou ainda das parcerias realizadas pela plataforma de reciclagem Wecycle, criada pela Braskem. Nela, atuam lado a lado cooperativas, outras empresas, como o Grupo Pão de Açúcar, projetos sociais e instituições sem fins lucrativos com o objetivo comum de promover o reúso de materiais.

Uma das citadas foi o projeto Edukatu, liderada por Hélio Mattar, que trabalha com a criação de uma cultura sustentável entre os jovens. Em última instância, o objetivo da iniciativa é permitir que os alunos do Ensino Fundamental se transformem em jovens multiplicadores das causas ambientais e competentes para buscar modelos de vida que garantam a sustentabilidade dentro de suas casas.

Caderno de Experiências ODS do Rio Metropolitano e o Brasil

No evento de abertura também foi lançado o Caderno de Experiências ODS no Rio metropolitano e Brasil, uma parceria da Casa Fluminense, enquanto membro da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (SDSN, na sigla em inglês), com a GIZ, por meio do projeto Solutions Initiative, que tem o propósito de difundir e colaborar para o cumprimento das metas de desenvolvimento sustentável no Brasil e no Rio Metropolitano até 2030.

A publicação aponta seis passos fundamentais para a implementação dos ODS nas Regiões Metropolitanas e um deles é justamente a formação de parcerias estratégicas com organizações da sociedade civil, universidades, empresas e governos.