Dieter Rams. Crédito: Divulgação/Rams

Dieter Rams: "a era do design para o consumo sem reflexão acabou"

Documentário recém-lançado sobre a vida e a carreira do mais influente designer de produto do século 20 apresenta a visão de Dieter Rams sobre design e sustentabilidade

Por mais de 50 anos, o alemão Dieter Rams produziu um trabalho icônico no campo do design de produto, sobretudo nos produtos das marcas Braun e Vitsoe. Entre os objetos que Rams desenhou estão aparelhos de som, despertadores, cafeteiras, sistema de prateleiras e até uma escova de dentes - foram mais de 200 produtos. Seu legado teve grande impacto na elaboração do design dos produtos da Apple.

Aos 86 anos, Dieter Rams é a estrela do documentário “Rams”, lançado em novembro de 2018. O longa-metragem é dirigido por Gary Hustwit, especialista em filmes que envolvem design e arquitetura, como Helvetica (2007), e conta com trilha sonora produzida por Brian Eno.

De acordo com o diretor, a estética do filme é baseada nos princípios estabelecidos pelo designer alemão, pautados pela simplicidade. “Suas idéias são realmente oportunas, no sentido de viver com menos, mas com coisas que duram mais”, disse Hustwit em entrevista ao site norte-americano Wallpaper.

“Ele é ambientalmente consciente, ele fala sobre sustentabilidade desde meados da década de 1970. Ele está desapontado com o modo como o consumismo, o capitalismo e o materialismo se esgotaram. [Ele também lamenta] o uso do design como um termo de marketing, em vez de melhorar o mundo, que para essa geração pós-Segunda Guerra Mundial de designers era o que era design. [Design era] o aspecto social - ensinar e repensar o mundo e torná-lo mais democrático”, destacou o diretor.

Leia também:
Arquitetos brasileiros levam prêmio internacional por prédio escolar
Estudo: empresa focada nos princípios do design tem receita 32% maior
“Pensar o produto com o seu descarte em mente é design”, diz professor

Como Dieter Rams pensa design e sustentabilidade

O trabalho de Rams ajudou a popularizar a máxima alemã "weniger, aber besser", que significa em português “menos, mas melhor” - lógica que pautou seus “mandamentos” no livro “Os dez princípios do bom design” (veja mais a seguir).

Durante suas cinco décadas dedicadas à Braun, Rams desenvolveu produtos que se tornaram ícones do design industrial. Alguns dos mais famosos são o toca-fitas SK-4 e o projeto de slides de alta tecnologia Série D. Muitos deles, hoje, fazem parte de acervos ao redor do mundo inteiro, incluindo o MoMA, o Museu de Arte Moderna de Nova York, nos Estados Unidos.

Na década de 1970, ele foi pioneiro ao introduzir a ideia de desenvolvimento sustentável como uma necessidade do design. No documentário, ele afirma que se pudesse voltar no tempo, teria escolhido outra profissão e não a de designer. “Não há futuro com tantas coisas supérfluas no mundo”, explica no documentário. "A era do design para o consumo sem reflexão acabou", conclui.

Seu trabalho é amplamente citado como revolucionário por especialistas do mundo inteiro. O jornal britânico Guardian o qualifica como “o homem que praticamente inventou o design de produtos de consumo como o conhecemos hoje”, a revista de tecnologia Wired afirma que “o ethos de design de Dieter Rams moldou o modo como gerações inteiras pensam em fazer e consumir” e a Wallpaper entende que seu trabalho indica o caminho para "a sustentabilidade e a longevidade no design”.

Os dez princípios do bom design

O livro “Os dez princípios do bom design” (versão em inglês “Ten Principles for Good Design”; Editora Prestel, 2017), de Dieter Rams lista aquelas que ele considera as principais diretrizes para um bom design. Para ele, “um bom design” precisa:

  1. Ser inovador

  2. Fazer o produto útil

  3. Ser estético

  4. Ajudar a entender o produto

  5. Ser discreto

  6. Ser honesto

  7. Ser durável

  8. Ser meticuloso com os detalhes

  9. Ser ambientalmente correto

  10. Ser menos “design possível”

 

Conteúdo publicado em 18/01/2019