x

A bluevision de Sandro Rodrigues

Conheça a história do artista plástico que há 20 anos trabalha apenas com materiais reciclado, em parceria com cooperativas de catadores: “a arte resgata a humanidade das pessoas”

Em seu ateliê, na Rua Serra de Jairé, zona leste de São Paulo, o artista plástico Sandro Rodrigues, de 43 anos, produz peças, esculturas e painéis confeccionados exclusivamente de material reciclado. Nos últimos 20 anos, ele divide seus dias entre a coleta e seleção dos mais variados tipos de objetos em cooperativas de reciclagem e o trabalho criativo que dá origem a sua arte.

Suas obras usam desde garrafas plásticas até elementos tecnológicos, como fios elétricos e disquetes, todos objetos selecionados por cooperativas parceiras. Sandro, inclusive, fundou em 2004 a Cooperativa Social de Trabalho e Produção de Arte Alternativa e Coleta Seletiva, cooperativa que manteve durante uma década e que tinha como objetivo trabalhar com coleta seletiva e arte com catadores de resíduos sólidos.

Para Sandro, a cooperativa foi uma forma de colaborar com a construção de uma sociedade melhor e recuperar pessoas. Nascido e criado em Pirituba, região periférica da zona norte de São Paulo, o artista plástico perdeu o pai com 5 anos e aos 11 já teve que começar a trabalhar. Após uma juventude conturbada, época em que teve problemas com álcool e drogas, encontrou na arte uma forma de se encontrar no mundo. “A arte resgata a humanidade das pessoas”, afirma. “Fez isso comigo e poderia fazer isso com os outros também”, disse em relação ao trabalho desenvolvido por sua cooperativa.

Hoje, é dono da marca Vitvalen - uma mistura do nome de suas duas filhas, Vitória e Valentina. Sandro também assina a decoração de Natal do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, e foi o mestre-artesão da estátua de Dom Quixote e Sancho Pança que está exposta no local. “Gosto de imaginar lá na frente e ver uma sociedade trabalhando como se fosse uma colmeia de abelha, trabalhando organizada e todo mundo sair ganhando com isso”, sonha Sandro.
 

Veja mais:
A bluevision de Ernst Götsch: como o suíço-brasileiro desenvolveu a agricultura sintrópica
A bluevision de Ricardo Gomes: como o documentarista encontrou vida na Baía de Guanabara
Escola Vidigal: como funciona o projeto de Vik Muniz que propõe uma nova alfabetização